Acesso ao principal conteúdo
Sudão

Sudão: Militares e civis assinam "declaração política"

Os generais no poder e o movimento de contestação civil no Sudão assinaram esta quarta-feira uma “declaração política” para a partilha de poder.
Os generais no poder e o movimento de contestação civil no Sudão assinaram esta quarta-feira uma “declaração política” para a partilha de poder. Ebrahim HAMID / AFP

Os generais no poder e o movimento de contestação civil no Sudão assinaram esta quarta-feira uma “declaração política” para a partilha de poder, após meses de violência marcados pela destituição do Presidente Omar el-Bechir.

Publicidade

A “declaração política” assinada esta manhã prevê a partilha de poder entre a junta militar e a oposição sudanesa até às próximas eleições que terão lugar daqui a três anos.

Trata-se de um Conselho Soberano composto por cinco militares e seis civis, presidido de forma rotativa por um militar e um civil, que serão os responsáveis pela implementação da transição no país.

As forças militares vão presidir nos primeiros 21 meses de transição, e os civis administrarão nos 18 meses a seguir.

Em declarações à agência France-Presse, o diretor-adjunto do Conselho Militar no poder, Mohamed Hamdan Dagalo, referiu-se ao acordo como um “momento histórico” para o Sudão.

Ibrahim Al Amin, um dos líderes da contestação, confirmou a assinatura de uma “declaração política”. “Para o documento constitucional, vamos retomar as negociações na sexta-feira”, assegurou.

As negociações devem continuar nos próximos dias para a analisar outras questões, nomeadamente a “imunidade absoluta” que é reclamada pelos militares no poder e rejeitada pelo movimento de contestação.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.