Acesso ao principal conteúdo
EUA/Ebola

EUA reforçam vigilância em aeroportos após morte de vítima do Ebola

O secretário de Estado norte-americano pediu a mobilização internacional na luta contra a epidemia de Ebola.
O secretário de Estado norte-americano pediu a mobilização internacional na luta contra a epidemia de Ebola. REUTERS/Mike Theiler

Os Estados Unidos vão reforçar o controle dos viajantes vindos da África do oeste em cinco aeroportos do país, numa tentativa de controlar a propagação do vírus Ebola. A informação foi divulgada após a morte, nesta quarta-feira (8), de Thomas Eric Duncan, o primeiro caso diagnosticado de febre hemorrágica no território norte-americano. Washington também pediu mobilização da comunidade internacional.

Publicidade

O liberiano Thomas Eric Duncan foi contaminado em seu país e entrou nos Estados Unidos com o vírus apesar do controle efetuado pelas autoridades de Monróvia. O caso provocou polêmica, pois o paciente avisou, ao dar entrada no hospital do Texas, que havia acabado de voltar de uma viagem à Libéria e, mesmo assim, foi liberado para voltar para a residência da namorada, cidadã americana.

Logo após o anúncio da morte do africano a Casa Branca anunciou que vai reforçar a vigilância nos aeroportos de Atlanta e de Chicago, além do JFK, em Nova York, Newark, no New Jersey, e Dulles, em Washington. O controle vai visar os passageiros vindos da Libéria, Serra Leoa e Guiné, os três países mais atingidos pela epidemia de Ebola. De acordo com o porta-voz da presidência norte-americana, Josh Earnest, esses aeroportos são o destino de 94% dos passageiros que chegam nos Estados Unidos vindos da zona de risco.

Os controles dos passageiros serão efetuados por profissionais especializados logo após a apresentação do passaporte, ao sair do avião. Além de terem sua temperatura medida, os viajantes vão responder a um questionário sobre os contatos que eles poderiam ter tido com doentes em seus países do origem.

Kerry pede ajuda internacional

Durante um entrevista coletiva nesta quarta-feira o secretário de Estado norte-americano John Kerry pediu que a comunidade internacional se mobilize contra a epidemia. “Os países devem fazer mais” para ajudar na luta contra “essa crise mundial urgente, que exige uma resposta mundial urgente”, disse o chefe da diplomacia dos Estados Unidos. “Não temos mais tempo a perder”, martelou.

A febre hemorrágica já matou 3,439 pessoa na África, segundo os últimos balanços divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.