Acesso ao principal conteúdo
Polêmica

Ameaça de hackers leva Sony a não lançar comédia sobre Kim Jong-un

Cartaz do filme "The Interview", com James Franco e Seth Hogen
Cartaz do filme "The Interview", com James Franco e Seth Hogen allocine.fr

A Sony decidiu não lançar mais no dia 25 de dezembro o filme "The Interview"; com James Franco e Seth Rogen. A razão foi a recusa das grandes salas de cinema dos EUA em exibir a comédia sobre dois agentes da CIA que tramam a morte do ditador norte-coreano Kim Jong-un.

Publicidade

A decisão foi tomada após a ameaça do grupo de hackers autointitulado Guardiães da Paz, que invadiu o servidor da Sony, de ataques terroristas aos cinemas que exibissem o filme. "Devido à decisão tomada pela maioria dos cinemas de não exibir o filme, decidimos não lançá-lo. Respeitamos e compreendemos a decisão dos nossos parceiros e, com certeza, compartilhamos completamente a sua prioridade, que é a segurança dos seus empregados e dos espectadores", divulgou em nota a Sony.

Na nota em que fazem a ameaça, os Guardiães da Paz escreveram "lembrem o 11 de setembro de 2011" e recomendaram que as pessoas ficassem longe de qualquer sala de cinema que exibisse o filme. "Se a sua casa fica próxima, é melhor você sair", diz o texto. Não se sabe quem está por trás do grupo de hackers, mas o jornal "The New York Times" publicou que "o serviço de inteligência norte-americano concluiu que o governo da Coreia do Norte está envolvido nos ataques".

Cyberataques

O cyberataque é um dos temas mais comentados nos EUA e no mundo nesta semana. Antes do cancelamento da Sony, o presidente Barack Obama pediu que os norte-americanos não deixassem de ir aos cinemas. Em entrevista ao programa "ABC News" nessa quarta-feira (17), ele disse que a invasão do servidor da Sony é muito séria. "Estamos investigando, estamos levando a sério. Se encontrarmos algum perigo real, vamos alertar o público. Mas, por enquanto, a recomendação é para as pessoas irem aos cinemas".

As invasões aos servidores da Sony começaram no dia 24 de novembro, quando o grupo vazou informações pessoais e médicas de todos os empregados do estúdio e o conteúdo de e-mails de chefões da empresa. Em uma troca de mensagens, dois produtores falavam mal de Angelina Jolie, o que causou um enorme mal-estar com a atriz, que lança seu filme "Unbroken" pelo estúdio.

A decisão da Sony de não lançar o filme irritou um dos atores da produção, Rob Lowe, que acusa o estúdio de se dobrar frente aos hackers, comparando a decisão àquela do líder britânico Neville Chamberlain, que assinou um acordo com Hitler antes da Segunda Guerra Mundial.

 

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.