Acesso ao principal conteúdo
Estados Unidos

Google se desculpa por resultados racistas do Google Maps envolvendo Obama

Problema na cartografia do Google Maps, como este da Al-Qaida no Iemen que aparece junto do residência oficial do presidente da França, o Palácio do Eliseu.
Problema na cartografia do Google Maps, como este da Al-Qaida no Iemen que aparece junto do residência oficial do presidente da França, o Palácio do Eliseu. Fotomontagem RFI

A gigante americana Google se desculpou pelos resultados apontados pelo sistema de cartografia Google Maps, quando o termo racista "nigger" (crioulo), combinado com a palavra "casa", localizava automaticamente a Casa Branca, residência oficial do presidente Barack Obama.

Publicidade

Os usuários do Google Maps podem acrescentar informações e fazer atualizações diretamente no sistema. Depois de uma série de resultados constrangedores apontados pelo Google Maps, desde terça-feira, a empresa californiana suspendeu temporariamente o serviço de atualizações.

A Google ainda não sabe explicar o que aconteceu para que termos racistas levassem diretamente à Casa Branca. "Nós pedimos desculpas pelos resultados inadequados e pelas ofensas que eles possam ter provocado. Nossa equipes trabalham para resolver rapidamente o problema", afirmou a Google em comunicado. Pavithra Kanakarajan, funcionária do Google, explicou que o serviço de atualizações pelos usuários foi suspenso porque o motor de busca "tem sofrido uma série de ataques" de hackers nos últimos tempos.

Em abril, uma busca feita no Google Maps no Paquistão mostrou como resultado o logotipo do sistema Android urinando na marca do concorrente Apple. Dias antes, a localização da Casa Branca foi substituída por uma rede de lojas falsas chamada "Edwards Snow Den", em uma provocação com o nome do ex-consultor da agência nacional de segurança NSA, Edward Snowden, que revelou informações confidenciais do governo americano.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.