Acesso ao principal conteúdo
Angola

Lunda Norte resgatados mais de mil refugiados congoleses nas mãos das milícias "Kamuina Nsapu"

Campo de refugiados
Campo de refugiados RFI / Gaël Grilhot

As autoridades da Lunda Norte, resgataram este fim de semana mais de mil refugiados congoleses, na sua maioria mulheres, crianças e idosos, que estavam nas mãos das milícias "Kamuina Nsapu".

Publicidade

Estes números juntam-se às 15 mil famílias congolesas que segundo a AJUDECA chegaram à Lunda Norte desde meados de Abril e cuja maioria se encontram em dois campos de refugiados na Lunda Norte - Cambulo e Lóvua.

Os refugiados oficialmente 17 mil segundo o governador provincial Ernesto Muangala, fogem à violência provocada por conflitos étnico-políiticos que assolam as províncias dos Kasai Central e Oriental e de Lomani, na República Popular do Congo, que opoem tropas governamentais e milícias armadas tribais "Kamuina Nsapu", do chefe tradicional Jean Pierre Mpando, morto em Agosto de 2016 pelas tropas congolesas.

Estas milícias consideram ilegítima a manutenção no poder do Presidente Joeseph Kabila e são entre outros acusadas de recrutar centenas de crianças soldados. 

No terreno estão o ACNUR, UNICEF, MINARS, Médicos sem Fronteiras mas também ONGs como a Associação Juvenil para o Desenvolvimento Comunitário de Angola - AJUDECA.

Segundo a ONU são necessários 64 milhões de dólares para ajuda de urgência.

Filipe Paulo, membro da AJUDECA, está precisamente no Dundo, capital da província da Lunda Norte, onde estas resgatados às milícias estão paulatoinamente a chegar nesta segunda-feira (8/05) e descreve a "situação de extrema  urgência" que vivem os refugiados, que chegam à Lunda Norte após dias e dias de marcha com várias patologias, esfomeados e carentes de tudo.

Filipe Paulo afirma que a "situação está difícil na Lunda Norte, pois os camiões contentores com alimentação e medicamentos não conseguem atravessar a ponte que está partida...e nas lojas já começa a faltar arroz....o governo angolano faz o que pode mas é pouco... e a solidariedade também é pouca".

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.