Acesso ao principal conteúdo
ANGOLA

Angola: manifestação no Bengo decorre sem sobressaltos

SINPROF - Sindicato dos Professores de Angola
SINPROF - Sindicato dos Professores de Angola SINPROF

 A manifestação que tinha sido convocada para hoje, no Bengo, organizada pelo Sindicato de Professores da Província do Bengo (SINPROF), decorreu sem qualquer sobressalto. Ainda que, de início, um forte dispositivo policial e militar tivesse sido enviado para o local, este acabou por ser desmobilizado.

Publicidade

Teve lugar hoje, por volta das 12h30, uma manifestação contra a suspensão de doze professores, expulsos por terem participado numa greve nacional organizada pelo SINPROF.

Inicialmente, a manifestação não tinha sido autorizada a sair à rua. Em entrevista à RFI ontem, Mbaxi Paulino Mateus, secretário administrativo e porta-voz provincial do SINPROF no Bengo, tinha alertado para o facto de "os professores poderem vir a ser agredidos, detidos e torturados".

Hoje, no entanto, não houve qualquer incidente durante a manifestação. Mbaxi Paulino Mateus afirma que, de início, além "da polícia à paisana, havia também a polícia de ordem pública e a polícia de intervenção rápida". No entanto, minutos antes do início do cortejo, estas retiraram-se, o que permitiu ao cortejo de completar o percurso inicialmente previsto.

Segundo Mbaxi Paulino Mateus, houve uma adesão "muito grande" e realçou que, caso até dia 19 de Maio (próxima sexta-feira), não seja resolvida a situação, terá lugar uma greve provincial, no Bengo, no dia 22. 

De realçar que os quatro pontos de ordem que motivaram a manifestação de hoje são: "o não pagamento da dívida que deveria ter sido paga até Dezembro sem ter sido cumprido; os descontos arbitrários - os professores que aderiram à primeira fase da greve foram descontados quatro dias de trabalho-; exonerações arbitrárias dos 12 colegas e a retirada da quota sindical do secretariado sindical que representa a contribuição mensal dos filiados voluntária". 

Confira aqui a entrevista com Mbaxi Paulino Mateus, secretário administrativo e porta-voz provincial do SINPROF.

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.