Acesso ao principal conteúdo
ONU/Armas

Proibição de bombas de fragmentação em debate na ONU

Operação de desminagem
Operação de desminagem Portal de Angola

Os países participantes da Convenção de Oslo, pela proibição e fabrico de bombas de fragmentação estão reunidos em Genebra, no Palácio das Nações para uma avaliação da situação atual com o Observatório das Minas e Munições.

Publicidade

Embora 102 países já tenham assinado e ratificado a proibição do fabrico e uso das bombas de fragmentação, por serem um tipo de arma que fere principalmente a população civil, que representa 98% das vítimas 36% das quais são crianças, de acordo com o Observatório das Minas e Munições, uma dezena de países continuam a fabricá-las ou utilizá-las principalmente nos conflitos da Síria e no Iémen.

Além disso, explosões podem ocorrer muitos anos depois de terminados os conflitos, exigindo operações de desminagem custosas e perigosas.

Angola, um dos países mais minados do mundo, deverá completar a desminagem da totalidade do seu território até 2025, mas faltam ainda desminar mais de 40% das àreas identificadas e o apoio internacional para estas operações caiu de quase 90%, neste momento apenas os Estados Unidos, Japão e Suiça mantêm as ajudas

Na província do Huambo, no leste de Angola, das 3500 vítimas repertoriadas nos últimos anos, 43% deveram-se a bombas de fragmentação e ainda neste último ano foram desativadas bombas não explodidas.

Moçambique fará uma dupla comunicação na próxima semana no Palácio das Nações em Genebra, dado que o país já terminou a desminagem de minas-antipessoais e a de bombas de fragmentação.

O Brasil, não signatário da Convenção de Oslo que data de 2008, fornece à Arábia Saudita bombas de fragmentação fabricadas pela empresa Avibras, que são utilizadas no Iémen, denuncia o Observatório das Minas e Munições.

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.