Acesso ao principal conteúdo
Basquetebol

AfroBasket 2017: Angola tenta reconquistar o seu título

Angola arrecadou a medalha de prata no AfroBasket'2015 após perder frente à Nigéria na final por 74-65 num torneio disputado em Radès, perto de Tunes, na Tunísia.
Angola arrecadou a medalha de prata no AfroBasket'2015 após perder frente à Nigéria na final por 74-65 num torneio disputado em Radès, perto de Tunes, na Tunísia. fiba.com

Inicia-se nesta sexta-feira o AfroBasket 2017 que vai ser disputado em dois países, a Tunísia e o Senegal entre os dias 8 e 16 de Setembro. Duas selecções lusófonas estão presentes, Angola e Moçambique.

Publicidade

O AfroBasket 2017 masculino abre esta sexta-feira 8 de Setembro as suas portas em dois países, a Tunísia e o Senegal, respectivamente com as cidades de Tunes e de Dacar.

Recorde-se que houve vários meses de incertezas quanto ao país que ia receber o torneio. O Congo-Brazzaville devia organizar o evento, no entanto por causa de dificuldades logísticas e financeiras decidiu desistir.

Entretanto a FIBA, organismo que gere o basquetebol mundial, tentou oferecer a organização a Angola, que recusou por decorrerem as Eleições Gerais na mesma altura. Por fim é uma organização conjunta que foi escolhida.

Angola, um rei sem coroa

Nesta prova duas selecções lusófonas estão presentes, Angola, 11 vezes campeã africana, e Moçambique, cuja melhor participação foi um quinto lugar em 1983.

Os angolanos estão inseridos no Grupo B juntamente com a República Centro-Africana, Marrocos, e o Uganda. A selecção angolana vai tentar reconquistar o título continental.

Recorde-se que Angola perdeu o seu ceptro na última edição do AfroBasket em 2015, perdendo na final frente à Nigéria por 74–65 que decorreu em Tunes na Tunísia. O último título continental para os angolanos foi em 2013, em Abidjan na Costa do Marfim, quando venceram o Egipto por 57–40.

Moçambique: Objectivo quartos-de-final

Os moçambicanos estão no Grupo D com o Senegal, o Egipto e a África do Sul. A tarefa não será fácil visto que Moçambique vai defrontar dois dos favoritos à vitória final, o Senegal e o Egipto que regularmente chegam às meias-finais da prova.

A selecção moçambicana terminou no décimo primeiro lugar na edição 2015 do AfroBasket. A melhor classificação de Moçambique foi um quinto lugar em 1983, um torneio que decorreu em Alexandria no Egipto e no qual os egípcios venceram o título derrotando Angola por 94-68, enquanto o Senegal foi terceiro vencendo a Costa do Marfim por 78-71.

Senegaleses e egípcios têm experiência mas actualmente já não existem as ditas "selecções fracas" e Moçambique vai tentar alcançar um dos dois primeiros lugares do grupo para chegar aos quartos-de-final.

O analista desportivo Eduardo Baptista "Moscavide" apontou os favoritos para esta competição e abordou a fase de grupos das duas selecções lusófonas.

De referir que Moçambique já disputou o seu primeiro jogo e perdeu frente ao Egipto por 75-47.

De notar por fim que a grande ausente do lado dos lusófonos é a selecção cabo-verdiana que em 2015 atingiu o décimo lugar, e sobretudo em 2007 alcançou a medalha de bronze no AfroBasket.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.