Acesso ao principal conteúdo
Convidado

CPLP mais próxima e mais aberta

Áudio 08:35
Fotografia de família na sessão de abertura XII Cimeira da CPLP
Fotografia de família na sessão de abertura XII Cimeira da CPLP TIAGO PETINGA / LUSA

Encerra esta quarta-feira a XII Cimeira de Chefes de Estado e de Governo da CPLP, de onde deverá sair a declaração de Santa Maria.Ontem, na sessão de abertura, os líderes dos nove Estados-membros proferiram a sua habitual mensagem solene.Michel Temer, presidente do Brasil, que aqui terminou a presidência rotativa do bloco, foi o primeiro a discursar. Temer falou numa comunidade que progride a “passo firme”.Depois, Cabo Verde foi proclamado presidente da XII Cimeira de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. Jorge Carlos Fonseca, o anfitrião, chamou a cerne do seu discurso o objetivo da mobilidade no espaço lusófono.João Lourenço participa pela primeira vez numa cimeira da CPLP enquanto chefe de Estado. O presidente de Angola pede uma reflexão sobre o futuro do bloco e sublinha tensões recentes em alguns Estados-membros.De política interna não falou José Mário Vaz, o presidente da Guiné-Bissau reclamou uma CPLP útil ao desenvolvimento.Teodoro Obiang aproveitou para assegurar que está a cumprir as regras de adesão a CPLP, mas não falou de abolição da pena de morte na Guiné Equatorial.Filipe Nyusi defendeu a autodeterminação económica, o presidente do Moçambique lembra que para uma CPLP forte é necessário paz e democracia nos Estados-membros.Numa mesa de chefes de Estado e do Governo de homens, Marcelo Rebelo de Sousa pediu o reforço do papel da mulher e, sem mencionar países, o presidente português sublinhou que nesta comunidade há valores fundamentais que não podem ser suspensos.Evaristo de Carvalho, presidente de São Tomé e Príncipe, quer uma comunidade mais próxima dos cidadãos e aproveitou para a segurar aos seus pares a “calmaria política” que agora reina no seu país.De Timor-Leste foi o ministro dos Negócios Estrangeiros, Dionísio Babu, a representar o presidente Francisco Guterres Du-Olo, impossibilitado de estar nesta cimeira devido à situação política no seu país. O chefe da diplomacia timorense pediu mais crédito e apoio a língua portuguesa.A XII Cimeira de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa termina hoje na ilha do Sal, Cabo Verde.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.