Acesso ao principal conteúdo
Angola

Angola: 18 anos de prisão para assassino de Rufino

Tribunal Provincial de Luanda
Tribunal Provincial de Luanda redeangola.com

Condenado hoje a 18 anos de prisão o militar José Tadi que atingiu mortalmente o jovem Rufino António de 14 anos em 2016, os outros 3 réus obtiveram um ano de pena correcional, os 4 devem pagar 1 milhão de kwanzas à família de Rufino.

Publicidade

O jovem Rufino António com 14 anos, foi morto a tiro por elementos das Forças Armadas Angolanas a 6 de Agosto de 2016, quando protestava contra a demolição da casa dos seus pais na zona do Zango III, em Viana, nos arredores de Luanda.

Iniciado a 10 de Julho, o julgamento dos quatro réus militares: o 1° sargento José Alves Tadi, considerado o autor do disparo mortal, está detido desde Outubro dde 2017 e foi condenado esta terça-feira (14/08) por homicídio voluntário simples a 18 anos de prisão, enquanto os soldados Lucas Tulucundeni, Gabriel Ernesto Domingos e José Pequenino foram condenados a 1 ano de prisão por crime de ameaça com arma de fogo, o Ministério Público pediu pena suspensa, mediante o pagamento de uma caução, o que não sucedeu, pelo que foram detidos.

Os quatro réus foram ainda condenados a pagar cada um 100 mil kwanzas de taxa de justiça e 1 milhão de kwanzas de indemnização à família de Rufino António.

Luis Fernandes do Nascimento advogado da família do jovem Rufino considera "justa a sentença de 18 anos de prisao para o autor dos disparos, sobretudo porque pode mostrar aos polícias e militares que a impunidade pode acabar".

O advogado considera no entanto que o o Estado angolano é responsàvel e aponta como mandantes morais do crime o comandante Simão Carlitos Wala, bem como o então Chefe de Estado Maior General da Forças Armadas general Geraldo Sachipengo Nunda.

Luís do Nascimento considera demasiado baixa a indemnização à família e vai recorrer junto do tribunal cível exigindo que cada réu pague 20 milhões de kwanzas e não 1 milhão de kwanzas, dado que segundo ele no câmbio real 1 milhão vale menos de 500 dólares, apesar de no câmbio oficial valer cerca de 3.800.

A defesa dos réus vai igualmente recorrer da setença.

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.