Acesso ao principal conteúdo
União Africana

Nyusi defende necessidade de financiamento do Fundo da Paz

Filipe Nyusi, Presidente de Moçambique
Filipe Nyusi, Presidente de Moçambique Yasuyoshi CHIBA / AFP

Filipe Nyusi defende a necessidade de financiamento do Fundo da Paz da União Africana.O presidente de Moçambique participa na 32ª Cimeira de Chefes de Estado e de Governo da União Africana, que decorre em Addis Abeba, Etiópia.

Publicidade

Ao microfone da RFI, Filipe Nyusi sublinhou “que a União Africana está a crescer”. Questionado sobre as divergências no seio da organização em relação ao Fundo da Paz, o Presidente de Moçambique salientou que se trata de um mecanismo necessário para “pacificar África”, mesmo que “tenha custos”. “Se os estados têm de contribuir, Moçambique tem de contribuir”, acrescentou.

Arrancou hoje a 32ª Cimeira de Chefes de Estados e de Governo da União Africana. Esta manhã, o chefe de estado egípcio Abdel Fattah al Sissi recebeu do ruandês Paul Kagame a presidência rotativa da organização pan-africana.

O dia começou com uma reunião à porta fechada entre os chefes de Estado e de Governo, com a questão da zona de comércio livre no continente africano em cima da mesa.

A integrar os trabalhos deste domingo foi o Fundo da Paz da União Africana. Criado no final do ano passado, este fundo deverá atingir os 400 milhões de dólares até 2020. E o que estaria a dividir os Chefes de Estados e de Governo da União Africana seriam as modalidades de financiamento do fundo.

A participar na cimeira encontra-se igualmente Ulisses Correia e Silva, Primeiro-ministro de Cabo Verde, Jorge Bom Jesus, primeiro-ministro de São Tomé e Príncipe, Manuel Augusto, Ministro das relações Exteriores de Angola e João Butiam Có, ministro dos Negócios Estrangeiros da Guiné-Bissau.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.