Acesso ao principal conteúdo
Angola/Portugal

Presidente português deixa Luanda "saudoso e solidário"

Marcelo Rebelo de Sousa e João Lourenço, no Palácio Presidencial em Luanda, 6/03/2019.
Marcelo Rebelo de Sousa e João Lourenço, no Palácio Presidencial em Luanda, 6/03/2019. JOÃO RELVAS/ LUSA

O Presidente português Marcelo Rebelo de Sousa deixou este sábado Luanda, após uma visita de Estado, que segundo ele "abriu um novo capítulo na história comum" entre os dois países".

Publicidade

O Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, terminou este sábado (9/03) uma visita de Estado de quatro dias Angola, destinada a relançar a cooperção política, diplomática e económica entre os dois paises, mas chegou a Luanda dia 5 de Março para assistir o Desfile de Carnaval e participar na cerimónia do 65° aniversário do seu homólogo João Lourenço.

Marcelo Rebelo de Sousa avistou-se duas vezes com o seu homólogo João Lourenço e ambos concordaram em que esta visita fortaleceu as relações ente os dois países, o Presidente português disse "acreditar na política ambiciosa e imparável do Presidente João Lourenço, de converter Angola em potência regional, continental e com afirmação no mundo".

Durante a visita marcada pelo contacto directo do Presidente português com a população e sociedade civil angolana, foram assinados 11 novos acordos de cooperação, nos domínios da educação, saúde, economia e administração local.

O Presidente português evocou "um novo ciclo nas relações bilaterais...foi virada uma página essencial e um novo capítulo da nossa história comum foi aberto a pensar no futuro".

Marcelo Rebelo de Sousa referiu-se ainda a uma "parceria privilegiada" no plano multilateral, no seio de organizações como a ONU e a CPLP, de que Angola assume em 2020 a presidência rotativa.

Além de Luanda, Marcelo Rebelo de Sousa, visitou as províncias da Huíla e Benguela, onde residem as maiores concentrações de cidadãos portugueses depois de Luanda.

Participou no Fórum de Negócios entre empresários angolanos e portugueses na cidade de Lubango, província da Huíla e visitou infraestruturas económicas na província de Benguela, onde o ministro angolano dos Transportes Ricardo de Abreu, admitiu a possibilidade de uma ligação aérea entre Lisboa e Benguela, no quadro da certificação internacional do aerorpoto da Catumbela, que já está em fase avançada.

A dívida de Angola para com as empresas portuguesas, marcou igualmente a agenda desta visita e o cenário actual foi considerado positivo, tendo em conta que Angola já pagou cerca de66% da dívida certificada, ou seja 176 milhões de euros dos 280 milhões de euros reclamados pelas empresas portuguesas.

A primeira reunião da Comissão Ministerial Permanente entre Angola e Portugal terá lugar em Luanda, no primeiro semestre de 2019, e no decurso do "segundo semestre de 2019 será organizada em Lisboa, uma nova ronda de consultas a nível de altos funcionários, destinada a promover o acompanhamento da implementação do conjunto de instrumentos jurídicos já assinados", afirmou este sábado (9/03) Marcelo Rebelo de Sousa a João Lourenço no encontro de despedida.

Como professor catedrático, o Presidente português, dirigiu aulas magnas nas Universidades Públicas de Luanda e da Huíla.

João Lourençou condecorou Marcelo Rebelo de Sousa com a Ordem Agostingo Neto, a maior distinção do Estado angolano, pelo seu esforço na melhoria das relações entre Luanda e Lisboa.

Marcelo Rebelo de Sousa cumpriu este sábado (9/03) três anos à frente dos destinos de Portugal e afirmou que a pasagem deste aniversário em Angola não foi por acaso "foi uma opção intencional minha e foi possível conjugar o programa".

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.