Acesso ao principal conteúdo
Angola

Angola: Grevistas da EPAL acusam ministro

Empresa Pública de Águas de Luanda (EPAL)
Empresa Pública de Águas de Luanda (EPAL) EPAL

Em Angola, os grevistas da Empresa Pública de Água de Luanda (EPAL) acusam o ministro da Energia e Água de desvio deste recurso. A acusação foi feita em conferência de imprensa, esta semana, por António Martins, primeiro secretário da comissão sindical da EPAL.

Publicidade

A greve na EPAL dura há quase dois meses e a entidade patronal e trabalhadores grevistas continuam sem entendimento.

Esta semana, os grevistas acusaram o ministro da tutela de estar envolvido num negócio ilícito de água. A acusação foi feita em conferência de imprensa por António Martins, primeiro secretário da comissão sindical da EPAL. O responsável afirmou que o ministro possui "girafas" (mecanismos para abastecimento das cisternas).

Temos provas do número de girafas que está em posse do senhor ministro da Energia e da Água porque enquanto sindicalista temos feito inspecções e foi o próprio sobrinho - que tem a girafa em seu nome - a dizer “Isto é do ministro” no sentido de intimidar as pessoas a não fazerem muitas perguntas. No dia-a-dia, quando há algum problema nessas girafas, são gestores da Epal que dizem “Vão lá atender a situação da girafa do ministro porque está sem água. Fecham as válvulas desta e daquela zona para permitir que a água chegue até à girafa do ministro”, afirmou.

A greve na EPAL foi decretada a 28 de Março. Além de aumentos salariais, aumento do subsídio de alimentação e transporte, os grevistas pedem seguro de saúde para os trabalhadores e membros do seu agregado familiar.

Oiça aqui as declarações de António Martins, cedidas pelo nosso correspondente, Daniel Frederico.

 

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.