Acesso ao principal conteúdo
Angola

Conferência internacional de petróleo e gás em Luanda

Presidente angolano, João Lourenço, em Luanda na Conferência internacional sobre petróleo e gás a 4 de Junho de 2019.
Presidente angolano, João Lourenço, em Luanda na Conferência internacional sobre petróleo e gás a 4 de Junho de 2019. Lusa

Luanda, recebe a partir desta terça-feira, 4 e até ao dia 6 de junho, a conferência de petróleo e gás, na qual participam expositores nacionais e internacionais. O Presidente angolano, João Lourenço, destacou no seu discurso de abertura, uma política de construção de refinarias em Lobito e Cabinda, requalificação de outras e angolanização do sector petrolífero.

Publicidade

O governo angolano, conta com o sector privado para melhorar a rede de distribuição de combustíveis, lubrificantes e gás em Angola, a intenção foi manifestada pelo Presidente João Lourenço no discurso de abertura da primeira conferência de petróleo e gás em Luanda esta terça-feira 4 e que vai até 6 de Junho.

Participam nesta conferência internacional patrocinada pelo Forum Africa Bussiness da Alemanha e pela Africa Oil & Power, 50 expositores do sector petrolífero, com os grupos Exxo, Total, Shlumberger, Sonangol, Chevron, Wood, Gepetrol, ILS Group, Anglobal, Equinor, entre outros nacionais e internacionais.

No seu discurso, o presidente angolano angolano, João Lourenço falou dos 3 grandes objetivos de desenvolvimento e consolidação do petroleo e do gás. 

Sabendo que Angola importa cerca de 80%, de derivados de petróleo que consome, o executivo colocou entre as suas principais prioridades na construção da grande refinaria de Lobito e a de Cabinda, a requalificação da de Luanda, deixando ainda em aberto a possiblidade de mais uma refinaria do Soyo.

Angola é o segundo maior produtor de crude em África atrás da Nigéria, com mais de 1,700 mil barris por dia, mas nos últimos meses tem enfrentado uma larga escassez de combustíveis em quase todos os postos de abastecimento do país.

O Chefe de Estado, reconheceu nesta conferência a fraca rede de abastecimento e lubrificantes e pede apoio das entidades privadas.

João Lourenço disse também que é preciso angolanizar o sector petrolífero apelando aos empresários do sector para o recrutamento e valorização da mão de obra de quadros nacionais.

Por outro lado, em entrevista à RFI, activistas de Cabinda, pedem celeridade e cumprimento das promessas do Presidente Angolano e criticam o facto de existir um Instituto dos Petróleos na Provincia Angolana do Kwanza Sul e não em Cabinda, que é o maior produtor nacional com cerca de 70% cento do petróleo.

Nicolau Sambo, actvista de Cabinda, afirma que "o povo de Cabinda não goza dos benefícios do petróleo" produzido localmente e que o Instituto dos petróleos devia estar ali e não no sul no Kwanza Sul".

Com esta conferência e exposição a decorrer até ao dia 6 no centro de Convenções de Talatona, em Luanda, Angola, assinala assim o começo duma nova era no sector dos petróleo e gás. 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.