Acesso ao principal conteúdo
ANGOLA

Angola: RNA levanta greve

Trabalhadores da RNA optaram por levantar a greve que deveria arrancar a 29 de Julho.
Trabalhadores da RNA optaram por levantar a greve que deveria arrancar a 29 de Julho. Pixabay/thiagocaribe

Os jornalistas, operadores de estúdio e outras categorias da Rádio Nacional de Angola, RNA, suspenderam esta sexta feira a greve anunciada  para 10 dias, que deveria arrancar na segunda-feira 29 de Julho para decorrer até 9 de Agosto.

Publicidade

O Sindicato de Jornalistas Angolanos suspendeu hoje a ideia de avançar com a greve de dez dias, com início previsto para segunda feira 29 de Julho, deixando a possibilidade de se avançar com a decisão no final do mês de Agosto, caso o Conselho Administrativo não cumpra com o que prometeu durante as negociações, que resultaram neste acordo.

Os profissionais da Estação Emissora Pública ´´Rádio Difusão Nacional de Angola´´, RNA, anunciaram na terça feira, uma greve geral, a partir da meia-noite do dia 29 de Julho, devido ao que consideram ser ´´falta de confiança por parte do actual Conselho de Administração´´ que acusam de incumprimentos sucessivos nos acordos.

O anúncio da greve, tinha sido feito pelo Sindicato dos Jornalistas Angolanos (SJA) acrescentando que tal decisão foi tomada numa Assembleia de trabalhadores da RNA nesta segunda-feira.

Esta sexta-feira, Teixeira Cândido, Presidente do Sindicato dos jornalistas angolanos, disse à RFI que, ´´A assembleia de trabalhadores deliberou a suspensão da greve até ao pagamento do salário do mês de Agosto, nos termos em que foi acordado com SJA´´.

Ele afirmou que doravante há um reenquadramento dos trabalhadores e respectivas remunerações em função da antiguidade.

´´O critério que deve determinar o enquadramento das pessoas, no âmbito da tabela salarial que a Rádio Nacional de Angola apresenta, deve ser o da antiguidade. Em segunda instância, o critério do mérito. E por fim, o respeitar dos direitos adquiridos, ou seja, quem já está a ganhar um bom salário, mesmo tendo menos tempo de serviço, não o podemos impedir. "

 Teixeira Cândido disse ainda que tudo isto vai ser trabalhado numa comissão criada e em que há-de estar o Conselho de Administração da RNA, o SJA, e os directores provinciais das rádios do grupo RNA.

"Mas antes haverá um processo de verificação dos dados, por isso esperamos que, em Agosto, possamos ver cumpridos os acordos que tomámos esta semana", explicou.

Um dos pontos principais da greve prende-se com a falta de reajuste salarial, apesar de o Governo ter reforçado recentemente o orçamento da RNA.

Os trabalhadores da RNA, Rádio nacional de Angola, optaram, pois, por suspender a greve com os salários a serem pagos com base no estipulado em Junho, até à revisão dos ordenados vir a ser efecutada em Agosto, nos termos de um acordo negociado pelo Sindicato dos jornalistas com a direcção da rádio pública como comentou Luís Manuel, jornalista da RNA.

Fundada a 5 de Outubro de 1977, a Rádio Nacional de Angola é uma empresa de radiodifusão pública com mais de 2000 jornalistas, técnicos e funcionários, trata-se da única rádio que cobre todo o país com delegações nas 18 províncias angolanas.

Com a colaboração de Daniel Frederico em Luanda.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.