Acesso ao principal conteúdo
Angola

Oposição diz que João Lourenço fez discurso irrealista

Assembleia Nacional de Angola
Assembleia Nacional de Angola DR/Parlamento de Angola

A oposição angolana acusa João Lourenço de ter feito um discurso à nação “irrealista” e que em nada descreve a realidade do país.

Publicidade

Um discurso “irrealista” na opinião do deputado da coligação CASA-CE, Lindo Bernardo Tito, que esperava medidas concretas para ajudar a ultrapassar a crise económica e a melhorar os serviços públicos do país.

«Medidas que ajudassem a reduzir os níveis de pobreza do país. Medidas no sentido do Presidente melhorar a qualidade dos principais serviços públicos como: a saúde, educação, água e energia em todo o território”, exemplificou.

Lindo Bernardo Tito afirma que o chefe de Estado apresentou indicadores económicos e falou de infra-estruturas que “em nada reflectem a realidade do país”.

O deputado da CASA-CE admite que João Lourenço “foi enganado pelos auxiliares” e por isso apresentou dados que não representam o exercício político dos dois anos de governação do chefe de Estado.

Também o vice-presidente da UNITA reconheceu que "o discurso de João Lourenço está muito longe de descrever a realidade de vida dos angolanos".

Raul Danda salienta que o Chefe de Estado apresentou “muitos números”, mas que ninguém pode fazer a “fiscalização devida”. O vice-presidente da UNITA disse que o Presidente “mostrou um quadro que está muito longe daquilo que é a vivência das pessoas aqui no país”.

A UNITA espera que o chefe de Estado deixe de fazer promessas e que passe implementar as reformas necessárias no país, dando exemplo da reforma da constituição.

“Estamos à espera que o Presidente olhe para a Constituição e faça com que o país seja dotado de uma constituição mais democrática, permita as mudanças para uma governação transparente”, concluiu.

O Presidente angolano fez ontem o tradicional discurso à nação. João Lourenço fez o balanço dos dois anos de mandato e admitiu diante dos deputados angolanos que há ainda muito a fazer.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.