Acesso ao principal conteúdo
Angola

Pompeo elogia luta contra a corrupção em Angola

Mike Pompeo, Secretário de Estado norte-americano, e João Lourenço, Presidente de Angola. Palácio Presidencial, Luanda. 17 de Fevereiro de 2020.
Mike Pompeo, Secretário de Estado norte-americano, e João Lourenço, Presidente de Angola. Palácio Presidencial, Luanda. 17 de Fevereiro de 2020. AMPE ROGERIO/LUSA

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, elogiou, esta segunda-feira, a luta contra a corrupção em Angola e disse estar “optimista” que o Presidente João Lourenço “continuará a libertar Angola da corrupção”. O ministro das Relações Exteriores de Angola, Manuel Augusto, classificou como "acalentador" o apoio de Washington às recentes políticas de Luanda.

Publicidade

Em declarações registadas pela agência Lusa, o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, elogiou os esforços do Presidente João Lourenço no combate à corrupção e diz que a sua deslocação acontece num “momento chave da história do país”.

A minha deslocação a Angola acontece num momento chave da história do país (…) Governo, empresários, sociedade civil e o excelente povo angolano estavam claramente preparados para uma mudança. Queriam relacionar-se com os países ocidentais e democráticos de uma forma que não era possível até há alguns anos. E é por isso que aqui estou.

(…) Durante os seus primeiros dois anos e meio de mandato João Lourenço fez um excelente trabalho para tornar a corrupção num fantasma do passado. Aumentou a transparência, obrigou as instituições financeiras a limpar os seus balanços e perseguiu os maus actores. Estou optimista que continuará a libertar Angola da corrupção.

Mike Pompeo, Secretário de Estado dos EUA

As declarações aconteceram numa conferência de imprensa no Ministério das Relações Exteriores, no âmbito do encontro com o seu homólogo angolano, Manuel Augusto, depois de ter sido recebido por João Lourenço, no Palácio Presidencial.

Mike Pompeo mostrou-se também “encorajado” pela determinação do Governo angolano em privatizar 195 empresas e activos do Estado que irão atrair investimento privado, considerando que se a nova lei do investimento for bem aplicada “muitos mais investimentos norte-americanos e ocidentais” virão para “criar riqueza, empregos e oportunidades para os angolanos”.

Por sua vez, o ministro das Relações Exteriores de Angola, Manuel Augusto, destacou que o apoio de Washington às recentes políticas de Luanda “é acalentador”.

Ter aqui hoje o secretário de Estado Mike Pompeo é acalentador para o executivo angolano porque queremos acreditar que a sua presença é também um sinal do apoio da administração do presidente Donald Trump ao programa do Governo do Presidente João Lourenço e, sobretudo, às reformas que este tem vindo a levar a cabo”, afirmou, em declarações registadas pela Lusa.

O objectivo das reformas é “dar a Angola a possibilidade de reassumir o seu papel no Conselho das Nações e por essa via também atrair a necessária parceira e os investimentos de que precisa para que economia angolana ganhe novo fôlego e possam sejam criadas condições para melhoria da vida das populações”.

Manuel Augusto, Ministro das Relações Exteriores de Angola

Angola é o segundo país que Mike Pompeo visita num périplo pela África subsaariana, depois de ter estado no Senegal e antes de seguir para a Etiópia. Esta é a primeira deslocação de um membro da administração de Donald Trump à região em mais de ano e meio.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.