Acesso ao principal conteúdo
Vida em França

Paris celebrou a “luso-francofonia”

Áudio 10:35
A cantora Mariana Ramos e o pianista Philippe Baden Powell. Câmara Municipal do bairro 17 em Paris, 20 de Fevereiro de 2020.
A cantora Mariana Ramos e o pianista Philippe Baden Powell. Câmara Municipal do bairro 17 em Paris, 20 de Fevereiro de 2020. RFI

A câmara municipal do 17° bairro de Paris foi palco de um evento que celebrou a união entre lusofonia e francofonia. A “luso-francofonia” foi um termo repetido em palco, num encontro que juntou personalidades lusófonas e francófonas e que foi promovido pela Embaixada de Cabo Verde em França.

Publicidade

Mariana Ramos foi uma das artistas lusófonas que subiu ao palco da câmara municipal do 17° bairro de Paris para representar a união entre lusofonia e francofonia. Esta quarta-feira à noite, a cantora de origem cabo-verdiana, radicada em França desde a infância, falou sobre o que é a dupla cultura. O evento foi promovido pela Embaixada de Cabo Verde para reforçar a presença lusófona num país onde vivem milhares de falantes de língua portuguesa, como explicou o embaixador cabo-verdiano em França, Hércules Cruz.

Há poucos lugares tão apropriados como a França para isso em razão da expressão significativa das comunidades dos países de língua portuguesa, muito particularmente de Portugal mas também do Brasil, de Cabo Verde e vai havendo cada vez mais angolanos, guineenses, moçambicanos e são-tomenses”, afirmou.

Muitos esquecem que a língua portuguesa é mais falada que o francês, lembrou o embaixador do Brasil em França, Luís Fernando Serra.

Eu acho que o mundo esquece que o português é mais falado do que o francês, do que o alemão e do que o italiano. É a terceira língua ocidental mais falada deste mundo e é a primeira no hemisfério sul. Tem que ter esse reconhecimento”, considerou.

Com tantos milhões a falar a língua portuguesa é preciso que esta seja oficializada ao nível das organizações internacionais, a começar pelas Nações Unidas, considera Maria de Assunção Aguiar, Embaixadora de São Tomé e Príncipe na Bélgica.

Estarmos a juntar-nos e a fazer esta unidade vai ter a sua importância e um grande impacto também a nível de algumas organizações internacionais onde a língua portuguesa ainda não é falada quando nós sabemos que há muitos milhões que falam a língua portuguesa”, declarou, confirmando que a ONU é uma dessas organizações.

Apesar dos esforços, a lusofonia é um pouco esquecida em França e há guineenses que se identificam mais com a francofonia do que com a lusofonia, admite Filomena Mascarenhas Tipote, embaixadora da Guiné-Bissau em França.

Aqui em França, aquilo que é a lusofonia é um pouco esquecido. Mesmo quando se trata da comunidade guineense, nós temos guineenses que se identificam mais com a francofonia do que com a própria lusofonia. Quanto mais fazemos actividades deste género, mais estamos a reafirmar a nossa presença”, indicou.

Em Julho de 2018, a França passou a ser um Estado observador associado da CPLP, o que mostra a importância que o país atribui à lusofonia, na opinião de Adelaide Cristóvão, Coordenadora do Ensino Português em França.

A França é membro observador da CPLP, o que mostra a grande importância que a França atribui à lusofonia. Portugal está em diligências também para ser membro da francofonia. Isso mostra o interesse de cada uma das culturas que estão por detrás da língua francesa e das culturas que estão por detrás da língua portuguesa, a curiosidade e a importância que atribuem à outra língua e às outras culturas”, afirmou.

A arte foi a principal convidada numa noite que reuniu cerca de 200 personalidades. Alunos de português em Paris declamaram poemas de autores lusófonos e o pintor de origem cabo-verdiana Le H pintou ao vivo uma tela a representar a união entre lusofonia e francofonia e um neologismo foi alegremente repetido ao longo do serão: "luso-francofonia".

O pianista franco-brasileiro Philippe Baden Powell também falou, em palco, sobre a “luso-francofonia”, lembrando que em criança brincava com o irmão a "dizer palavras portuguesas com pronúncia francesa", numa espécie de “linguagem codificada”, ao introduzir "um lusitanismo dentro do francês ou uma 'francisation' dentro do português".

Este ano, a UNESCO, em Paris, vai voltar a celebrar a lusofonia, meses depois de ter ratificado o 5 de Maio como o Dia Mundial da Língua Portuguesa.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.