Acesso ao principal conteúdo
Convidado

"Angolanos têm de escolher entre morrer à fome ou morrer da pandemia".

Áudio 07:43
Apesar do Estado de Emergência em Angola devido à pandemia de coronavírus, a população continua nas ruas.
Apesar do Estado de Emergência em Angola devido à pandemia de coronavírus, a população continua nas ruas. © Daniel Frederico RFI

Assinala-se hoje em todo o mundo o Dia do Trabalhador. Este ano a pandemia do novo coronavírus, que já fez mais de 230 mil mortes, veio alterar a dinâmica de uma jornada que normalmente é comemorada na rua e ao ritmo das reivindicações. Em Angola várias figuras públicas vieram defender que esta data deveria servir para reflectir sobre a qualidade do trabalho, num país onde a taxa de desemprego ultrapassa os 30%.

Publicidade

Em entrevista à RFI, Francisco Jacinto, secretário-geral da Central de Sindicatos Independentes de Angola, diz que o Dia do Trabalhador está a ser vivido em pleno confinamento e com os angolanos a terem de escolher entre "morrer à fome ou morrer da pandemia".

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.