Acesso ao principal conteúdo
Dilma/França

"Não tolero a corrupção", diz Dilma na capa do jornal Le Monde

A primeira página do jornal Le Monde que chegou às bancas nesta quinta-feira traz uma foto de Dilma Rousseff e chamada para uma entrevista exclusiva com a presidente brasileira.
A primeira página do jornal Le Monde que chegou às bancas nesta quinta-feira traz uma foto de Dilma Rousseff e chamada para uma entrevista exclusiva com a presidente brasileira. Le Monde

A edição do jornal Le Monde que chegou às bancas nesta quinta-feira traz uma entrevista exclusiva com Dilma Rousseff, que acaba de realizar uma visita de Estado à França. "Eu não tolero a corrupção", diz a citação da presidente brasileira na capa do diário, ao lado de uma grande foto dela. Dilma declarou ainda que o trunfo estratégico do euro não dispensa a França de "se voltar para os países emergentes". 

Publicidade

A entrevista, concedida nesta quarta-feira ao jornalista Paulo Paranaguá, ocupa uma página inteira do jornal vespertino francês.

Le Monde voltou à questão da corrupção, que já havia sido abordada na entrevista coletiva que Dilma Rousseff concedeu à imprensa na terça-feira, ao lado de François Hollande. "Essa praga afeta todos os países. Não são as pessoas que devem ser virtuosas, mas as instituições. A sociedade deve ter acesso a todos os dados do governo. Todos aqueles que utilizam fundos públicos devem prestar contas", disse a presidente.

Ela aproveitou para manifestar novamente seu apoio ao ex-presidente Lula, acusado por Marcos Valério de envolvimento no escândalo do Mensalão: "Eu não tolero a corrupção, e meu governo também não. Se há suspeitas fundamentadas, a pessoa deve partir. É claro que não se deve confundir essas investigações com a caça às bruxas típica dos regimes autoritários. Para serem candidatos a uma eleição, os brasileiros devem se submeter à lei da ficha limpa, eles não podem ter sido condenados. O ministério público é independente, a polícia federal investiga, prende e sanciona. E quem começou essa nova etapa de governo foi o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva".

Economia

"O euro é um trunfo estratégico, mas ele não dispensa [a França] de se voltar para os países emergentes, sobretudo os Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), cujas performances sustentam a economia mundial", disse Dilma, ao fazer um balanço positivo de seu encontro com o presidente francês, François Hollande.

A presidente disse que, longe de ser uma invenção de analistas de mercados, o grupo dos Brics representa a construção de uma vontade política comum entre países tão diferentes.

Na entrevista, realizada no aeroporto de Bourget, na região parisiense, pouco antes de Dilma embarcar para a Rússia, a presidente insiste nos atrativos do país para as empresas estrangeiras, garantindo que o Brasil será "o país do futuro" se forem feitos os investimentos necessários na infraestrutura, nas manufaturas e nas indústrias de transformação.

Ela também destaca a diminuição da desigualdade durante os últimos dez anos, graças a uma "forte mobilidade" social, e diz que o objetivo do seu governo agora é diminuir os encargos trabalhistas, expandir o crédito e desvalorizar a moeda a fim de impulsionar o crescimento.

Dilma também se gabou que o Brasil está "blindado" contra o sobressaltos internacionais, graças a uma política de lutar contra a pobreza respeitando a estabilidade macroeconômica.

Meio ambiente

No que diz respeito à proteção da Amazônia, um tema com forte apelo junto aos franceses, Dilma Rousseff repetiu que o governo realizou todos os estudos para garantir que a hidroelétrica de Belo Monte não cause danos ao meio ambiente. Ela fez um apelo para que a comunidade internacional "assuma compromissos fortes em relação às mudanças climáticas".

O jornalista de Le Monde encerrou a entrevista pergutando se Dilma seria candidata à reeleição em 2014, ao que ela respondeu que ainda tem dois anos de "governo intenso" pela frente e que "não é o momento de pensar nisso. Seria colocar o carro na frente dos bois".

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.