Acesso ao principal conteúdo
Brasil/Cultura

Le Monde destaca projetos de Marta Suplicy para distribuir cultura

Ministras da Cultura da França, Aurélie Filippetti, e do Brasil, Marta Suplicy, no Ministério da Cultura e Comunicação da França, em Paris.
Ministras da Cultura da França, Aurélie Filippetti, e do Brasil, Marta Suplicy, no Ministério da Cultura e Comunicação da França, em Paris. Montserrat Bevilaqua

"A mãe que alimenta as almas do Brasil" é o título do perfil da ministra brasileira da Cultura, Marta Suplicy, publicado na edição desta quinta-feira do Le Monde. O jornal relembra sua trajetória desde a entrada no PT, em 1983, até seus últimos passos no Ministério, como a aprovação do Vale Cultura, bônus de R$ 50 mensais para o consumo cultural, oferecido aos 17 milhões de brasileiros que ganham menos de cinco salários mínimos. O jornal passa também pela criação dos CEUs quando Marta dirigiu a cidade de São Paulo e sua atuação na recente campanha de Fernando Haddad para a prefeitura da cidade.

Publicidade

"O Brasil não deve ser sinônimo de praia, violência e mulatas peladas", diz a ministra à repórter Véronique Mortaigne. "Ele tem a oferecer sua alegria, sua capacidade de harmonia e sua diversidade, apesar da pobreza". Isso porque Marta vem de Londres, onde ela observou as iniciativas culturais promovidas pelos ingleses para as Olimpíadas de 2012. A ideia é, claro, coletar ideias para a realização dos Jogos do Brasil, em 2016.

Mas, como fica claro na entrevista, Marta está na Europa, mas com a cabeça e os pés no Brasil. Ela comenta, por exemplo, a saída de Ana de Hollanda, a quem ela substituiu na pasta: "Assim que chegou, ela pediu a retirada das licenças Creative Commons que haviam sido aplicadas por Gilberto Gil ao site do Ministério da Cultura".

Ao contrário da antecessora, Marta Suplicy não sai em defesa dos modelos estabelecidos - principalmente o ECAD - de coleta e distribuição dos direitos autorais. A nova ministra promete uma solução inovadora, que "regule da melhor maneira possível" a complexa batalha dos direitos autorais em um país que figura entre os maiores pirateadores do mundo.

Na verdade, escreve o jornal, Marta gostaria de reformar tudo de uma vez, inclusive a lei Rouanet, que autoriza até 100% de isenção fiscal para o "mecenato cultural". Mas Marta reconhece que uma mudança radical está fora da pauta: "Os próprios artistas defendem (o modelo da lei). No entanto, nós exigiremos uma melhor distribuição - as sedes sociais das empresas ficam no sul do país. Consequentemente as regiões mais necessitadas são lesadas", afirma a ministra. "O Nordeste, apesar de riquíssimo culturalmente, recebe apenas 1,6% dos investimentos da lei Rouanet".

No Brasil já sem fome e com nítidos progressos sociais alcançandos pela gestão do petista Lula, é hora de dar um passo além: "Lula cortou o ciclo da pobreza. Dilma Rousseff deseja que a cultura seja o alimento das almas". Daí o título do artigo.

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.