Acesso ao principal conteúdo
Brasil/França/Corrupção

Escândalo de fraude nas obras do metrô no Brasil repercute na França

Sede da Alstom em Paris.
Sede da Alstom em Paris. AFP

O escândalo de fraude de licitações ferroviárias em São Paulo tem chamado a atenção da imprensa internacional. Vários jornais franceses deram destaque para o assunto desde que o nome da gigante da área de infraestrutura Alstom foi citado como possível envolvida nos casos de corrupção.

Publicidade

A reportagem do jornal O Estado de São Paulo que menciona o nome grupo industrial francês Alstom no escândalo das licitações ferroviárias no Brasil chamou a atenção na França. O canal de televisão BFM explica que os consultores e executivos da empresa são acusados de terem praticado suborno para conquistar as concorrências em São Paulo.

Citando a reportagem do diário brasileiro, e emissora francesa explica em seu site que “dez pessoas já foram indiciadas, entre elas dois ex-ministros paulistas e dois administradores da EPTE” (ex-Eletropaulo). O canal também relata que os representantes da Alstom no Brasil foram acusados de “corrupção, lavagem de dinheiro, evasão fiscal e extorsão de fundos”.

O jornal Libération também resume a possível participação do grupo francês a partir de informações divulgadas pela imprensa brasileira. Libé explica que a Alstom, que atua na área de infraestrutura de energia e transporte, teria pago 6,8 milhões de dólares para obter um contrato de 45 milhões de dólares para a extensão do metrô de São Paulo.

O diário La Tribune, que também dá destaque para o caso, explica que, segundo documentos da polícia federal brasileira, o dinheiro das operações ilegais teria sido lavado em contas na Suíça, Luxemburgo, Nova York e Lichtentstein. O jornal ressalta que o grupo Alston não quis comentar o escândalo e disse apenas que “segue um rígido código ético”.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.