Acesso ao principal conteúdo
Brasil

Brasil admira “irmãos” africanos

Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro
Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro REUTERS/Adriano Machado

O novo ministro dos negócios estrangeiros brasileiro diz que o país estará ao lado daqueles que estão a construir” uma África pujante e livre”. Ernesto Araújo falava durante a sua tomada de posse em Brasília. 

Publicidade

Ernesto Araújo citava, na ocasião, os governos que admira, quase todos de cariz conservador e anti-globalização: Estados Unidos, Israel, Itália, Hungria, entre outros.

Quem ama luta pelo que ama.

Nós admiramos quem luta.

Admiramos aqueles que lutam pela sua pátria e aqueles que se amam como povo.

Por isso, admiramos, por exemplo, Israel que nunca deixou de ser uma nação, mesmo quando não tinha solo, em contraste com algumas nações de hoje, que mesmo tendo solo as suas igrejas e os seus castelos já não querem ser nação.

Por isso, admiramos os Estados Unidos da América, aqueles que hasteiam a sua bandeira e estimam os seus heróis.

Admiramos os países latino-americanos que se libertaram dos regimes do Fórum de São Paulo.

Admiramos os nossos irmãos do outro lado do Atlântico, que estão construindo uma África pujante livre.

Admiramos os que lutam contra a tirania na Venezuela, e outros lugares.

Por isso, admiramos a nova Itália. Por isso admiramos a Hungria, a Polónia.

Admiramos aqueles que se afirmam. Não aqueles que se negam.

O problema do mundo não é a xenofobia, mas a oikofobia, de oikos, oikos ou lar.

Oikofobia é odiar o próprio lar, o próprio povo, repudiar o próprio passado”, refere o ministro brasileiro dos negócios estrangeiros.

Oiça aqui as declarações do ministro dos negócios estrangeiros do Brasil.

Por seu turno, o novo ministro da justiça, Sérgio Moro promete lutar contra a corrupção.

Moro, o juíz que se destacou na operação “Lava Jato”, que levou à prisão dezenas de políticos, inclusive, o antigo presidente brasileiro, Luís Inácio Lula da Silva, disse ainda que será para si uma prioridade o combate à impunidade.

A missão prioritária dada pelo excelentíssimo Presidente Jair Bolsonaro foi clara: o fim da impunidade da grande corrupção, o combate ao crime organizado e a redução dos crimes violentos, tudo isso respeitando o Estado de Direito para servir e proteger o cidadão.

O brasileiro, seja qual for a sua renda – lembremos que o crime atinge mais fortemente os mais vulneráveis – tem o direito de viver sem medo da violência, e sem medo de ser vítima dum crime, pelo menos, nos níveis epidémicos actualmente existentes”, afirmou Sérgio Moro

Oiça aqui as declarações do ministro da justiça do Brasil

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.