Acesso ao principal conteúdo

Médicos vão poder progredir na carreira em Cabo Verde

Cidade Velha, Ilha de Santiago. 8 de Junho de 2009.
Cidade Velha, Ilha de Santiago. 8 de Junho de 2009. Orlando Rodrigues / AFP

Cerca de vinte anos depois, os médicos cabo-verdianos vão poder progredir na carreira. O governo aprovou, esta semana, o Plano de Cargos, Carreiras e Salários, um esforço financeiro de cerca de 82 mil contos por ano. O ministro da presidência do Conselho de Ministros, Fernando Elísio Freire, defendeu que a proposta traz justiça e estabilidade aos médicos.

Publicidade

O governo de Cabo Verde aprovou o decreto-lei que permite progressões na carreira médica, o chamado Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) do pessoal que integra a carreira médica. O custo da implementação da medida é de quase 82 mil contos por ano, cerca de 745 mil euros.

A aprovação do diploma foi anunciada pelo ministro da presidência do Conselho de Ministros, Fernando Elísio Freire, numa conferência de imprensa, na quinta-feira.

Fernando Elísio Freire afirmou que a proposta traz justiça aos médicos estagnados na carreira nos últimos 20 anos, explicando que ela resulta de um largo consenso entre o executivo, os sindicatos e a classe médica.

“O governo com esta proposta, alinha todas as reivindicações dos médicos com as condições económicas e sociais do país”, disse o ministro, acrescentando: “Esta medida do governo é complemento de um compromisso com o povo cabo-verdiano e sobretudo com os médicos".

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.