Acesso ao principal conteúdo
Cabo Verde

167 casos de paludismo em Cabo Verde

O paludismo propaga-se por picadas de mosquitos.
O paludismo propaga-se por picadas de mosquitos. GETTY/DEA PICTURE LIBRARY

Os números de casos de paludismo em Cabo Verde subiram para 167 casos de acordo com dados do Programa Nacional de Prevenção e luta contra Doenças Vectoriais. Cabo Verde foi distinguido pelos resultados alcançados no combate à doença.

Publicidade

Os números de casos de paludismo em Cabo Verde estão a aumentar. Neste momento, de acordo com dados disponibilizados pelo Programa Nacional de Prevenção e luta contra Doenças Vectoriais já foram 167 casos de paludismo, sendo que a maioria dos casos surgiu na Cidade da Praia, com um total de 153 locais e três importados. Os outros 11 casos de paludismo foram importados pelas ilhas do Sal, São Vicente e Santo Antão. E há uma vítima mortal, um marinheiro chinês que contraíu a doença na Serra Leoa e que chegou a Cabo Verde numa fase terminal.

O governo realizou na segunda-feira uma reunião sobre a situação epidemiológica do paludismo na Cidade da Praia. À saída do encontro, o Ministro da Saúde e da Segurança Social, Arlindo do Rosário, afirmou que vão ser intensificadas as campanhas para tentar eliminar os viveiros e focos de mosquitos e lembrou que a luta é de todos.

A Organização Mundial da Saúde prevê que o arquipélago tem capacidade para eliminar a transmissão local do Paludismo até 2020 e estima que Cabo Verde tenha reduzido a sua taxa de incidência e de mortalidade associada ao paludismo em mais de 40%.

Em Janeiro deste ano, Cabo Verde foi distinguido pela terceira vez com o prémio ALMA - Aliança de Líderes Africanos contra o Paludismo com o prémio Excelência 2017, pelos resultados alcançados no combate à doença.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.