Acesso ao principal conteúdo
Economias

Aeroporto do Montijo pode “ser benéfico” para Cabo Verde

Áudio 09:02
Santo Antão, Cabo Verde.
Santo Antão, Cabo Verde. DANIEL SLIM / AFP

A eventual abertura de um novo aeroporto no Montijo, nos arredores de Lisboa, em 2022, pode “ser benéfica” para Cabo Verde, na opinião do presidente da Associação das Agências de Viagens e Turismo de Cabo Verde. Mário Sanches também considera “muito positiva” a entrada em vigor da isenção de vistos para cidadãos de 36 países europeus e acredita que “a meta de um milhão de turistas até 2021 é possível” e sustentável.

Publicidade

A eventual abertura de um novo aeroporto no Montijo, nos arredores de Lisboa, em 2022, deverá contar com taxas aeroportuárias 15% a 20% mais baixas do que as praticadas no aeroporto da Portela, na capital portuguesa. A notícia, divulgada esta semana pelo Público e Jornal Económico, pode ser benéfica para Cabo Verde, na opinião de Mário Sanches, presidente da Associação das Agências de Viagens e Turismo de Cabo Verde (AVTCV), que analisa, neste ECONOMIAS, o estado de um setor que descreve como “a alavanca da economia do país”.

Eu penso que teremos de esperar para ver na prática o que irá acontecer, mas na teoria qualquer aspecto que possa afectar positivamente os custos das passagens será sempre uma boa via para atrair mais turistas. Daí que pensamos e esperamos que possa ser benéfico para nós a abertura do aeroporto do Montijo”, afirmou Mário Sanches.

O responsável explicou que “havendo uma taxa de segurança aeroportuária mais barata, isso poderá reflectir-se significativamente no preço das passagens”.

É isso que esperamos. Por isso, pode afectar positivamente os custos das passagens e havendo passagens mais baratas, naturalmente que se pode fazer mais ligações entre os dois países e, com isto, trazer mais turistas para Cabo Verde e não só”, continuou.

Questionado sobre se os operadores turísticos cabo-verdianos também podem ganhar com o novo aeroporto do Montijo, Mário Sanches respondeu: “Perfeitamente. Tudo o que seja mais entrada de turistas, tudo o que seja mais mobilidade, tudo o que seja mais movimentação de pessoas é algo para trazer mais negócio para os operadores turísticos, para as agências de viagens, para os hoteleiros, para todos.”

 

Taxas aeroportuárias em Cabo Verde: “A medida poderá ser boa”

O presidente da AVTCV considerou que a entrada em vigor das taxas aeroportuárias em Cabo Verde “poderá ser boa” se as agências nacionais conseguirem “completar a transição de simples agências de viagens para agências também de turismo”.

As agências de viagens vão ter de deixar de trabalhar numa lógica só de vender viagens, mas começar também a construir pacotes turísticos, a funcionar como verdadeiras agências turísticas”, acrescentou.

O responsável disse que “quem, neste momento, reúne as melhores condições para tirar proveito da taxa TSA são as maiores agências internacionais que operam em Cabo Verde”, mas está confiante que “a hora das agências nacionais de aproveitar a TSA chegará”.

No imediato, todos, a maioria das agências, não vão conseguir tirar proveito dessa oportunidade mas, em breve, estamos em condições de afirmar que todos vão ficar beneficiados com a introdução da taxa em Cabo Verde. Confiamos que a hora das agências nacionais de aproveitar a TSA chegará.”

Por outro lado, Mário Sanches adiantou que a Associação das Agências de Viagens e Turismo de Cabo Verde “está a trabalhar no alargamento da base de parcerias” e também no mercado asiático, “nomeadamente a China, a partir de Macau, e também a Rússia”.

 

“A meta de um milhão de turistas até 2021 é possível”

Para Mário Sanches, a entrada em vigor da isenção de vistos para cidadãos de 36 países europeus “ é muito positiva” e indicou que “a meta de um milhão de turistas até 2021 é possível”.

Defendendo que é preciso “vender Cabo Verde para além do 'destino sol e praia'”, o responsável lembrou, por exemplo, que há “ilhas como Santo Antão, São Nicolau, Fogo e Santiago que podem oferecer outro tipo de turismo”.

É preciso dar esse salto. É preciso qualificar Cabo Verde para as outras ilhas, ou seja, nós temos condições para receber mais de um milhão de turistas, atendendo às condições que nós temos aqui em Cabo Verde: não só sol e praia mas também outro tipo de turismo que se pode praticar em outras ilhas de Cabo Verde”.

Quanto a uma eventual inflação do custo de vida dos cabo-verdianos face a um cenário de turismo de massa, Mário Sanches sublinhou que “o turismo é a alavanca da economia em Cabo Verde” e que “a entrada de turistas significa mais negócio” porque “um turismo sustentável e inclusivo beneficia também a população”.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.