Acesso ao principal conteúdo
Cabo Verde

Cabo Verde: agente da polícia assassinado a tiro na cidade da Praia

Logótipo Polícia Nacional de Cabo Verde
Logótipo Polícia Nacional de Cabo Verde facebook.com

O agente Hamilton Morais ou "Tutu" que fazia parte da unidade de piquete da Polícia Nacional de Cabo Verde, foi assassinado a tiro na madrugada desta terça-feira, no bairro de Tira Chapéu, na cidade da Praia.

Publicidade

O agente policial de primeira classe Hamilton Morais que há 16 anos que fazia parte da polícia, foi assassinado pouco depois da meia-noite desta terça-feira (28/10) fazia parte da unidade de piquete da Polícia Nacional.

Hamilton Morais, também conhecido como "Tutu" foi morto a tiro durante uma operação em Tira Chapéu, um dos bairros mais problemáticos da cidade da Praia, dois suspeitos armados ao aperceberem-se da chegada da brigada da polícia, fugiram e durante a perseguição o agente terá sido atingido por uma bala no pescoço e faleceu no Hospital Agostingo Neto.

Numa primeira reacção, a partir da ilha do Sal, onde se encontra a participar da XI Reunião dos Directores de Política de Defesa Nacional da CPLP, o ministro da Administração Interna, Paulo Rocha mostrou-se chocado com assassinato do polícia.

"O Governo e poarticularmente o Ministério da Administração Interna lamenta profundamente a morte dum efectivo nosso, um facto que muito nos choca e continua a chocar. Ainda é muito cedo para tecer qualquer tipo de comentários sobre o ocorrido, o importante é dizer que era um agente exemplar, corajoso, muito conhecido e muito querido por todos os seus colegas, pelos seus amigos e vizinhos". 

Oito horas depois do ocorrido, a Polícia Nacional deteve um dos dois suspeitos pelo homicídio do agente: trata-se de um jovem de 32 anos de idade, com um longo cadastro judicial e várias passagens pela polícia e pela cadeia central de São Martinho, na cidade da Praia.

A Polícia Nacional está no encalço do outro suspeito, que continua em paradeiro incerto e a família do defunto exige justiça.

Em comunicado, a Polícia Nacional afirma que “as diligências estão sendo feitas no sentido de se compreender com exactidão as circunstâncias em que ocorreu a tragédia”.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.