Acesso ao principal conteúdo
Cabo Verde

Governo de Cabo Verde apela à calma

Cidade da Praia, ilha de Santiago. 7 de Outubro de 2019.
Cidade da Praia, ilha de Santiago. 7 de Outubro de 2019. JOHN WESSELS / AFP

O Governo de Cabo Verde apelou à calma depois de um segundo polícia, em menos de um mês, ter sido encontrado morto na ilha de Santiago.

Publicidade

Esta quinta-feira, o ministro da Administração Interna de Cabo Verde, Paulo Rocha, pediu calma face ao caso do agente da Polícia Nacional que foi encontrado morto na cidade de Assomada, na ilha de Santiago, na quarta-feira.

O polícia, de 41 anos, não estava de serviço e as autoridades informaram que não encontraram indícios de uso de arma de fogo ou arma branca. O caso está sob investigação.

"Infelizmente, um afetivo da Polícia Nacional foi encontrado morto nas imediações da sua residência, como foi dito, sem lesões físicas aparentes, sem nenhuma lesão decorrente de arma de fogo, por isso, o que eu recomendo é termos um pouco mais de calma", afirmou Paulo Rocha, à margem da primeira mesa redonda dos conselheiros da Segurança Nacional da África Ocidental, que decorre na cidade da Praia.

A autópsia é realizada hoje no Hospital Agostinho Neto.

O agente da PN era professor de karaté, director técnico nacional da modalidade, árbitro internacional e um dos mentores da criação das estruturas cabo-verdianas de karaté.

Trata-se do segundo polícia que morre na ilha de Santiago em menos de um mês, depois de outro na cidade da Praia, que foi atingido por um tiro enquanto realizava uma operação no bairro de Tira Chapéu.

Entretanto, o chefe do Governo anunciou 14 medidas para combater a criminalidade urbana, como a revisão da lei das armas e o agravamento de penas em caso de reincidência criminal.

 

(Com agência Lusa)

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.