Acesso ao principal conteúdo
dominique Strauss-Kahn

Prisão de Strauss-Kahn monopoliza conversas em Cannes

Dominique Strauss-Kahn durante audiência em Nova York.
Dominique Strauss-Kahn durante audiência em Nova York. REUTERS/Emmanuel Dunand

A prisão de Dominique Strauss-Kahn, diretor-gerente do FMI e rival potencial de Nicolas Sarkozy nas presidenciais francesas do ano que vem, tornou-se o principal assunto entre os participantes do festival de Cannes. O fato é tão comentado que esta edição já está sendo chamada de Festival de «Khan».

Publicidade

Em cada esquina, restaurante, fila de filme, saída de projeção ou coletiva de imprensa, tem sempre uma rodinha comentando os últimos desdobramentos do affaire. De longas discussões sobre a veracidade dos fatos às dúvidas sobre o horário exato em que o poderoso chefão do FMI deixou sua suíte no Sofitel de Times Square, o tema centraliza a atenção de diretores, roteiristas, atores e críticos.

Todo esse interesse comprova que, apesar do cinema ser mágico, nada pode competir com a realidade, quando esta ultrapassa a ficção e reúne todos os ingredientes que fazem o sucesso da maioria dos filmes: poder, dinheiro, sexo, violência e complexidade psicológica. Até os telões instalados nos corredores do Palácio dos Festivais, que normalmente mostram as coletivas de imprensa, estão sintonizados nas TVs de notícias.

Sem querer, Dominique Strauss-Kahn acabou ofuscando os atores mais famosos do mundo e, entre incredulidade e surpresa, todos se perguntam qual será o final deste roteiro fora de competição.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.