Acesso ao principal conteúdo
Pintura/Séraphine de Senlis

Cidade de Senlis comemora 150 anos da pintora Séraphine

Séraphine de Senlis no Museu de Maillol em Paris
Séraphine de Senlis no Museu de Maillol em Paris Flickr/ Creative Commons

Senlis, a 40km ao norte de Paris, homenageia sua filha mais ilustre, a pintora primitiva Séraphine Louis, que ficou mais conhecida como Séraphine de Senlis. De origem humilde e autodidata, a artista acabou ganhando projeção mundial.

Publicidade

A exposição “Séraphine de Senlis, da sombra à luz” é um dos pontos altos das homenagens para celebrar os 150 anos de nascimento da pintora, em 1864, em Arsy (Oise). Ela morreu em Villers-sous-Erquery, aos 78 anos, em 1942.

Em 2008, a atriz Yolande Moreau viveu Séraphine no cinema. O filme retratou as origens modestas e o trabalho solitário da artista, que preparava ela mesma suas tintas e pintava no escuro, à luz de velas. As obras eram realizadas nos horários livres de Séraphine, que trabalhava como doméstica nas residências burguesas de Senlis. As inspirações para as pinturas vinham da religião e da natureza.

O colecionador de arte alemão Wilhelm Uhde, morador de Senlis, descobre o trabalho de Séraphine. Ele apóia a artista, mas é obrigado a deixar a França em 1914. O contato é retomado em 1927, dando condições a Séraphine para investir em quadros de dois metros de altura.

Loucura

As vendas de quadros trazem prosperidade financeira a Séraphine, mas o interesse por suas obras diminue com a recessão e ela dilapida sua próprio patrimônio. Aos poucos, ela vai sendo consumida por problemas psicológicos e em 1932, ela é internada com “psicose crônica” e nunca mais pinta.

Mas as obras de Séraphine continuam circulando em exposições, como a dos “Primitivos Modernos”, em Paris, e “Mestres Populares da Realidade”, no MoMA, de Nova York. Ela ganha uma mostra solo em 1945, em Paris. O museu Maillol, de Paris, também dedica uma grande retrospectiva de Séraphine, em 2011.

A mostra “Séraphine de Senlis, da sombra à luz” fica em cartaz até 26 de janeiro de 2015, no Museu de Arte e Arqueologia de Senlis.
 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.