Acesso ao principal conteúdo
FIFA

Blatter não se recandidata, Platini na linha da frente?

Michel Platini, direita, com Sepp Blatter após a reeleição deste último à Presidência da FIFA a 29 de Maio de 2015 em Zurique na Suíça.
Michel Platini, direita, com Sepp Blatter após a reeleição deste último à Presidência da FIFA a 29 de Maio de 2015 em Zurique na Suíça. REUTERS/Arnd Wiegmann

Joseph Blatter, presidente demissionário da FIFA, deixou bem claro, ontem, em conferência de imprensa que não se recandidata à Presidência da FIFA. As eleições vão realizar-se a 26 de Fevereiro de 2016. O actual Presidente da UEFA, Michel Platini, parece ser o candidato desejado por vários federações para ocupar o cargo, no entanto o francês ainda não se decidiu.

Publicidade

A corrida à Presidência da FIFA, organismo que gere o futebol mundial, está lançada. Ontem o presidente demissionário, Joseph Blatter, anunciou oficialmente que o novo presidente seria eleito a 26 de Fevereiro de 2016 e que ele não se vai recandidatar para ocupar o lugar.

Lembramos que Joseph Blatter, de 79 anos, foi reeleito para um quinto mandato à frente da FIFA no passado dia 29 de Maio em Zurique na Suíça. No entanto quatro dias depois, a 2 de Junho, decidiu demitir-se do cargo.

De recordar que o Congresso tinha decorrido sob alta tensão visto que sete membros da FIFA foram presos pelas autoridades internacionais. Estas apreensões foram realizadas no âmbito de um inquérito realizado pelos Estados Unidos. Os membros foram indiciados por corrupção e por branqueamento de dinheiro. Até à eleição, Joseph Blatter não desistiu de ir a votos e de vencer com uma margem dilatada, sendo que o único concorrente, o príncipe jordaniano Ali bin Hussein decidiu retirar-se após a primeira volta.

Na primeira ronda Sepp Blatter conquistou 133 votos contra 73 para Ali bin Hussein. Apesar dos escândalos, o presidente demissionário suíço conseguiu obter um prolongamento da sua presidência, mas quatro dias depois, não aguentou mais a forte pressão sobre a FIFA com os escândalos de corrupção que se aproximavam cada vez mais de Joseph Blatter. O braço direito do presidente, Jérôme Valcke, foi acusado pela justiça americana de ter entregue 10 milhões de dólares a Jack Warner, um dos principais alvo dos Estados Unidos na corrupção no seio da FIFA e que terá desviado vários milhões de dólares.

O ciclo de Sepp Blatter que começou a 8 de junho 1988 vai terminar a 26 de Fevereiro de 2016.

Platini, Presidente?

A palavra "candidato" à presidência da Fifa já foi pronunciada por inúmeras pessoas ligadas ao futebol, entre elas uma das mais ilustres, o argentino Diego Armando Maradona.

No entanto um nome está nos lábios dos altos dirigentes de quatro Confederações (Europa, Ásia, América do Sul, e CONCACAF que reúne a América do Norte, do Centro e Caraíbas), o francês Michel Platini, actual presidente da UEFA.

Segundo meios de comunicação franceses, Michel Platini já começou a sondar várias pessoas ligadas à FIFA, e até estará à espera do sorteio para o Mundial-2018 na Rússia em São Petersburgo, para ter opiniões mais concretas para saber se pode ou não vencer a eleição.

Até agora três candidatos lançaram-se na corrida, o príncipe jordaniano Ali bin Hussein, derrotado por Sepp Blatter no último Congresso da FIFA, o presidente da Federação da Libéria Musa Hassan Bility, e o antigo jogador brasileiro Zico.

Em entrevista à RFI, Luís Aguilar (Jornalista de investigação. Autor do livro Jogada Ilegal, sobre a corrupção na FIFA) admitiu que a não candidatura de Sepp Blatter não é uma surpresa e vê Michel Platini como um favorito à Presidência da FIFA pelo percurso que teve até agora, sendo actualmente o presidente da UEFA.

Primeiro objectivo do futuro presidente: Limpar a imagem da FIFA

O próximo presidente da FIFA, e é nesse ponto que pairam as dúvidas da candidatura de Michel Platini, terá de trabalhar para limpar a má imagem deixada pela FIFA com os escândalos de corrupção.

Por enquanto, e com Sepp Blatter na liderança, parece complicado.

Na conferência de imprensa em que Joseph Blatter adiantou a data das próximas eleições e anunciou que não se ia recandidatar, um actor britânico aproximou-se do presidente demissionário, enviando-lhe dinheiro para, supostamente, obter o Mundial de 2026 para a Coreia do Norte.

Veja o vídeo aqui.

No vídeo, o actor Simon Brodkin pousou dinheiro na mesa de Sepp Blatter afirmando: «Aqui está Sepp, isto é para a Coreia do Norte 2026», antes de atirar mais notas enquanto era expulso pelos seguranças.

Joseph Blatter não gostou da intrusão e interrompeu a conferência de imprensa durante alguns mintuos, afirmando: «Senhoras e senhores, temos de limpar isto primeiro. Caso contrário não tenho condições para continuar a falar com vocês, quando falarmos de futebol. Isto não tem nada a ver com futebol».

O legado de Joseph Blatter será complicado de assumir para o seu sucessor.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.