Acesso ao principal conteúdo
Internet

Facebook compra Whatsapp por US$ 19 bilhões

Facebook compra o aplicativo de mensagens instantâneas, WhatsApp por US$ 19 bilhões
Facebook compra o aplicativo de mensagens instantâneas, WhatsApp por US$ 19 bilhões REUTERS/Mal Langsdon

Facebook reforça seu poder e estratégia na telefonia celular com a aquisição da Whatsapp por US$ 19 bilhões, anunciada na quarta-feira (19). Essa é a maior aquisição na história da rede social que acaba de completar 10 anos e uma das mais importantes do setor de novas tecnologias.

Publicidade

O acordo para a aquisição da Whatsapp é superior ao levantado por Facebook no momento de sua introdução na bolsa de valores de Nova York. Ele ilustra a vontade do fundador e CEO da rede social, Mark Zuckerberg, de recuperar a adesão de um público jovem.

Facebook vai pagar US$ 4 bilhões em dinheiro vivo e outros US$ 12 bilhões em ações da rede social aos acionistas da Whatsapp. Os US$ 3 bilhões restantes serão divididos entre os fundadores e funcionários da empresa de mensagens instantâneas nos próximos quatro anos, quando a negociação for concluída.

Sucesso da Whatsapp é estrondoso

A Whatsapp, fundada há cinco anos por Jan Koum, um americano de origem ucraniana, e por Brian Acton, é a aplicação de mensagens instantâneas para smartphones mais popular nos Estados Unidos, Ásia e Europa. Ela tem 450 milhões de usuários em todo o mundo e registra um milhão de novos adeptos por dia.

Em comunicado, Mark Zuckerberg justificou o preço altíssimo desembolsado afirmando que whatsapp deve conectar 1 bilhão de pessoas no mundo e que uma empresa de serviços com esse potencial, “tem um valor incrível”.

O fudador do Facebook, que em 2012 negociou a compra do Instagram por US$ 1 bilhão em um final de semana, informou que fechou a aquisição da Whatsapp com Jan Koum há dez dias, durante um jantar.

Mercado reage mal e ações do Facebook caem

A soma astronômica desembolsada pela rede social para a compra do Whatsapp foi motivo de críticas e as ações do Facebook caíram 5% na quarta-feira (19), na bolsa de Nova York.

O analista de mercado, Rick Summer, diz que com a aquisição um ponto fraco importante do Facebook fica evidente. A rede social, que enfrenta uma queda em seu crescimento econômico nos últimos trimestres, “mostra que é incapaz de fazer melhor do que outras redes e por isso decide comprá-las”, afirma Summer.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.