Acesso ao principal conteúdo
Brasil/Copa

Felipão chama psicóloga para trabalhar emocional da seleção

Jogadores da seleção receberam nesta terça-feira a visita de uma psicóloga na concentração.
Jogadores da seleção receberam nesta terça-feira a visita de uma psicóloga na concentração. Foto: Reuters

As reações emocionadas demonstradas por muitos jogadores da seleção brasileira nos últimos jogos trouxeram de volta à Granja Comary nesta terça-feira (01) a psicóloga Regina Brandão, escolhida pela comissão técnica para fazer um trabalho com o grupo para melhor suportar a pressão de ganhar o Mundial dentro de casa. Depois de uma primeira etapa logo no início da preparação da equipe, o treinador tinha previsto chamá-la eventualmente na fase final da Copa, mas o comportamento dos jogadores anteciparam a vinda da especialista.

Publicidade

Regina Brandão se reuniu com grupo no início da tarde, antes do treino. O fator psicológico tem sido um dos motivos de preocupação dos torcedores e da comissão técnica diante dos choros durante a execução do hino nacional e das reações que foram interpretadas como fraqueza nos momentos que antecederam as cobranças de pênaltis contra o Chile. 

O estado emocional dos atletasfoi um dos principais temas da entrevista coletiva com os jogadores Ramirez e o goleiro reserva Victor. Eles garantem que o grupo saiu fortalecido emocionalmente da vitória nos pênaltis contra o Chile, e evitaram se aprofundar no assunto. “Está sendo bastante falada essa questão psicológica, né?” comentou com meio sorriso o meia atacante Ramirez.

"É uma emoção diferente o que a gente viveu contra o Chile. Isso é uma emoção normal de um jogo e o que passamos vai servir de motivação nesta reta final para fazer o melhor. Se vier outra disputa por pênaltis, vamos estar mais preparados", afirmou.

"O emocional é devido a partida; jogar 90 minutos e mais prorrogação, e depois o calor que estava e mais de 200 milhões de pessoas torcendo, isso tudo conta", explicou. "Mas o time está preparado para o que vier na questão emocional, extra campo ou dentro de campo, estamos sabendo administrar", garantiu.

Ramirez acredita que a seleção está melhor preparada emocionalmente depois do jogo contra o Chile.
Ramirez acredita que a seleção está melhor preparada emocionalmente depois do jogo contra o Chile. Foto: Reuters

Já goleiro Víctor defendeu as reações emocionadas de seus colegas vistas nos jogos recentes. "Estão colocando como um peso essa questão emocional. Mas eu não vejo assim. Os jogadores estão vivendo de uma forma muito intensa e muitos acabam extravazando através do choro", justificou o goleiro reserva.

"A responsabilidade é muito grande e não vejo como algo negativo", insistiu. "A equipe entra totalmente fortalecida para o próximo jogo ", acrescentou em referência às quartas de final contra a Colômbia.

Não dar um centímetro de espaço a James Rodríguez

Em relação aos adversários da próxima sexta-feira no estádio Castelão, Ramirez destacou o poder ofensivo dos colombianos e defende uma atenção com o craque do time, o meia atacnte James Rodríguez, artilheiro da competição com 5 gols.

“Já tinha visto ele jogar no Porto, ele já tinha qualidade e está demonstrando mais uma vez nesta Copa. Ele é o craque da Colômbia. Também é preciso ter uma atenção com ele, já que fez cinco gols e é o artilheiro”, frisou.

O goleiro Víctor também acredita que o astro colombiano pode fazer a diferença e defende uma marcação cerrada porque de seus pés saem os melhores lances ofensivos da Colômbia. “James vem fazendo uma grande Copa do Mundo, é diferenciado. Jogadores com sua qualidade não se pode dar espaço, tem que marcar e encurtar as distâncias e não pode dar um centímetro de espaço porque senão ele pode fazer a diferença", avisou.

O goleiro reserva Víctor diz que é preciso marcação firme sobre colombiano James Rodríguez.
O goleiro reserva Víctor diz que é preciso marcação firme sobre colombiano James Rodríguez. Foto: Reuters

Mal estar provocado por Felipão

Outro tema que provocou um certo mal estar no campo de concentração da equipe em Teresópolis, foi a decisão do treinador Scolari de chamar na noite desta seguda-feira um grupo de apenas seis jornalistas para trocar impressões sobre o desempenho da seleção brasileira.

Muitos jornalistas, entre os mais de 700 profissionais credenciados para cobrir o Brasil na Granja Comary, criticaram essa exclusividade e chegaram a publicar declarações atribuídas ao treinador na conversa que aparentemente, deveria ter ficado restrita.

Entre as afirmações polêmicas que teriam sido ditas por Felipão estava sua interpretação de que o zagueiro Thiago Silva teria "amarelado" no jogo contra o Chile. Durante a cobrança de pênaltis, o zagueiro sentou-se em cima de uma bola, isolou-se do grupo e não quis ver as cobranças. Além disso, o capitão confessou ter pedido ao treinador para ser o último a cobrar, até mesmo depois do goleiro Júlio César, em uma eventual necessidade de desempatar o placar.

Outra afirmação de Felipão que provocou muita repercussão foi seu arrependimento de ter chamado um dos 23 jogadores convocados, cujo nome não foi revelado. Questionado durante a entrevista coletiva sobre o encontro reservado com o grupo reduzido de jornalistas, Ramirez respondeu: "essa informação estou sabendo agora. Ele não comentou com nós jogadores, não estamos sabendo de nada. Essa é uma resposta que ele deve dar a vocês até porque nós jogadores fomos escolhidos por ele".

Reservas sofrem para bater equipe sub-20

A seleção brasileira realizou dois treinos separados na tarde desta terça-feira. Os titulares fizeram apenas exercícios físicos para recuperação do desgaste sofrido no jogo contra o Chile. Depois, eles desceram para o gramado para acompanhar o coletivo dos reservas contra a equipe sub-20 do Fluminense.

O jogo treino terminou em 1 a 0 para a seleção com um gol de pênalti de Paulinho. O treinador Felipão acompanhou tudo do lado do gramado e deve ter analisado com muita atenção a movimentação dos atletas.

Neymar (à dir.) e Marcelo chegam de bibicleta para o treino.
Neymar (à dir.) e Marcelo chegam de bibicleta para o treino. Foto: Reuters

Só no treino programado para esta quarta-feira, Felipão dará indicações de qual time titular pretende armar para enfrentar a Colômbia nesta sexta-feira, na Arena de Fortaleza. O treinador deverá encontrar um substituto para Luiz Gustavo. O volante recebeu o segundo cartão amarelo no jogo contra os chilenos e vai cumprir suspensão automática.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.