Acesso ao principal conteúdo
França/ Espanha

Sarkozy promete acabar com bases do ETA na França

O presidente Nicolas Sarkozy e o primeiro-ministro espanhol José Luiz Zapatero durante funeral do policial francês morto pelo ETA.
O presidente Nicolas Sarkozy e o primeiro-ministro espanhol José Luiz Zapatero durante funeral do policial francês morto pelo ETA. Reuters

O presidente Nicolas Sarkozy prometeu acabar com todas as bases do grupo separatista basco ETA na França. Ele assistiu nesta terça-feira, junto com o chefe do governo espanhol, José Luiz Rodrigues Zapatero, ao funeral do policial assassinado por um comando do grupo nos arredores de Paris, há uma semana.

Publicidade

"Vamos acabar com as bases do ETA na França de uma vez por todas." Foi com essa declaração de guerra ao grupo separatista basco que o presidente francês encerrou seu discurso durante a cerimônia do enterro do primeiro policial francês assassinado pelo ETA, que está classificado como organização terrorista na lista da União Europeia.

Serge Nerin, de 52 anos foi baleado na terça-feira da semana passada por um comando do grupo separatista basco durante um controle policial em Dammarie-Les-Lys, perto de Melun, distante 45 km da capital francesa.

Nos últimos quarenta anos, o ETA - que luta pela independência do país basco, entre França e Espanha- vem usando a França como retaguarda para combater o Estado espanhol. A prova é que 33 membros da organização foram presos aqui, somente no ano passado.

Depois desse crime, França e Espanha reforçaram ainda mais a luta contra o terrorismo. Sarkozy garantiu que aplicará a "tolerância zero" contra todos que atacarem as forças de segurança. « A França nunca vai se deixar intimidar pelo terrorismo », declarou o chefe de estado francês diante do primeiro-ministro espanhol Zapatero que assistiu à cerimônia ao lado do ministro espanhol do Interior Alfredo Perez Rubalcaba.

"O ETA é uma organização sanguinária. Esta é a primera vez que um policial francês morre baleado por esses fanáticos por sangue", afirmou Sarkozy.

Na semana passada, o governo francês anunciou uma reforma que prevê aumentar para 30 anos a pena para homicídio de oficiais, sem possibilidade de redução de pena.


Alerta máximo

O ministério do Interior da Espanha elevou na segunda-feira o nível de alerta antiterrorista de "baixa intensidade" para "alta intensidade" até junho, quando termina o mandato do país da presidência rotativa da União Europeia.

Um dos membros do comando, Joseba Fernandes Aspurz, de codinome "El Gundi", foi indiciado no último sábado por um juiz antiterrorista francês por homicídio com agravantes, pela intenção de matar e também por associação de malfeitores em organização terrorista e roubo a mão armada. Os outros membros que estavam com ele quando o policial francês foi morto, continuam foragidos.

 

 

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.