Acesso ao principal conteúdo
Copa do Mundo

Vandalismo estraga festa argentina pelo vice-campeonato

Confronto entre policiais e torcedores no centro de Buenos na madrugada desta segunda-feira (14); após a derrota na final da Copa do Mundo, alguns torcedores promoveram atos de vandalismo na capital artentina.
Confronto entre policiais e torcedores no centro de Buenos na madrugada desta segunda-feira (14); após a derrota na final da Copa do Mundo, alguns torcedores promoveram atos de vandalismo na capital artentina. Reuters

O centro de Buenos Aires tornou-se um campo de batalha entre vândalos e policiais. Comércios foram saqueados, agências bancárias invadidas e até um teatro foi depredado. Bares e restaurantes viraram refúgio para famílias com crianças, que festejavam a conquista do vice-campeonato.

Publicidade

Márcio Resende, correspondente da RFI em Buenos Aires

A polícia reagiu com bombas de gás lacrimogênio e jatos d'água. Os torcedores violentos brigavam entre si e atiravam pedras nos poilciais. Ao menos 65 pessoas ficaram feridas, incluindo oito policiais.

A batalha campal durou mais de cinco horas e foi até de madrugada, estragando o clima de festa que se vivia pelas ruas da cidade.

Se um desavisado chegasse a Buenos Aires depois do jogo entre Argentina e Alemanha, juraria que a Argentina tinha sido campeã. Buzinas, cornetas, bandeiras e muitas cantigas enchiam as ruas da capital.

Orgulho

Milhares de torcedores homenageavam uma seleção que chegou a uma final pela primeira vez em 24 anos. Eles deixavam a derrota de lado e valorizavam o vice-campeonato. A tristeza era superada pelo orgulho.

"Festejamos o fato de termos uma grande equipe, que jogou muito bem, que deixou tudo no campo de jogo e, sobretudo, que ficamos acima do Brasil", exibia a sua admiração o universitário Darío Rodríguez, de 26 anos.

"Festejamos o fato de termos motivos para nos reunirmos aqui depois de 24 anos sem uma final do mundo e pela dignidade dos jogadores argentinos", completa o músico José Castellanos, de 38 anos. Sobre a confusão na região do Obelisco da Avenida 9 de Julho, José diz que não são os mesmos torcedores que festejam o vice-campeonato: "São os mesmos inadaptados de sempre".

"Não conseguimos ser campeões como queríamos, mas valorizamos o esforço argentino. Por isso, saímos às ruas para festejar porque esses jogadores merecem", concorda Emanuel Fernández, de 24 anos.

Nesta segunda-feira (14), a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, vai homenagear os jogadores e o corpo técnico da seleção.

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.