Acesso ao principal conteúdo
Ucrânia/Eleições

Europeus condenam eleições realizadas em regiões separatistas da Ucrânia

Membros da comissão eleitoral participam da apuração em Donetsk.
Membros da comissão eleitoral participam da apuração em Donetsk. REUTERS/Maxim Zmeyev

As regiões de Donetsk e Lugansk, controladas por separatistas pró-russos no leste da Ucrânia, realizaram eleições regionais neste domingo (2), exatamente uma semana depois das eleições parlamentares no restante do país. A votação foi condenada pela União Europeia, que considerou o pleito "um obstáculo à paz" na Ucrânia.

Publicidade

Sandro Fernandes, de Donetsk para a RFI

Pesquisas de boca de urna divulgadas na noite de domingo apontavam ampla vitória do chefe separatista Alexander Zakhartchenko em Donetsk, com cerca de 81% dos votos. Em Lugansk, as longas filas nas seções eleitorais prorrogaram a votação em uma hora, mas também não havia praticamente dúvida sobre a vitória do líder local, o separatista Igor Plotnitsky.

A contagem dos votos pode levar alguns dias. Mas lacradas as urnas, a Rússia logo declarou que respeitaria os resultados.

O presidente ucraniano, Petro Porochenko, chamou o pleito de "farsa realizada sob o fogo dos canhões, tanques e metralhadoras". Ele pediu à Rússia que não reconheça os resultados. A votação foi considerada ilegal pelo governo de Kiev, a União Europeia, os Estados Unidos e as Nações Unidas. Os ocidentais acusam as regiões do leste de provocação e de estarem descumprindo o cessar-fogo assinado no início de setembro.

Votação sem incidentes graves

Apesar das críticas do Ocidente, o comparecimento às urnas foi considerado alto nas duas regiões, segundo as autoridades locais, podendo ter ultrapassado 50% de participação. O voto não é obrigatório na Ucrânia.

Observadores internacionais convidados pelos separatistas disseram que havia muito entusiasmo na hora de votar e que não houve incidentes. Os governos separatistas de Donetsk e Lugansk buscam com o pleito que a população local dê respaldo e legitimidade ao poder instalado à revelia de Kiev.

Zakhartchenko, candidato à reeleição em Donetsk, prometeu que vai renovar a economia local e que aumentará os salários e as aposentadorias. Ele disse também que a Ucrânia pode ser um parceiro comercial, caso devolva os territórios (re)conquistados.

A população espera o fim do conflito, que começou em abril deste ano e vem causando perdas humanas e materiais na região. Os combates deixaram até agora 3.700 mortos.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.