Acesso ao principal conteúdo
Imprensa Semanal

Moçambique, Nobel do PM da Etiópia ou diversidade no Parlamento francês

Áudio 04:00
Capas dos semanários de 30/11/2019
Capas dos semanários de 30/11/2019 RFI

Abrimos esta Imprensa Semanal com a LA LETTRE DE L'OCEAN INDIEN, que destaca o sector financeiro, económico e parcerias em Moçambique.Sparta, ramo principal mineiro de Dimirios Pantazopoulos, homens de negócios sul-africano de origem grega já tem o seu pé fincado no sector mineiro. O empresário montou no começo de novembro a sociedade Saparta Minerals, enquanto principal accionista com o moçambicano Simião Zibane. Pantazopoulos tem igualmente relações com Mateus Oscar Kida Júnior, antigo banqueiro do Banco Internacional de Moçambique e filho do ex-Ministro dos antigos combatentes, Mateus Oscar Kida, no grupo de jogos e apostas Bettagames Mozambique, lanado em 2014.O homem de negócios greco-sulafricano está igualmente associado a Lino Joaquim Hama, esposo da ex-governadora de Maputo, Lucília Hama, tendo ainda interesses na restauração com a Baía Café de Maputo e Delicatessen de Matola, acrescenta LA LETTRE DE L'OCEAN INDIEN.Por seu lado, o semanário, JEUNE AFRIQUE, faz a sua capa com França, os africanos da Repúbica, 26 deputados dos 577 é ainda pouco. As populações que vêm da imigração continuam a ser sub-representadas na Assembleia nacional, mas há que reconhecer  que os deputados de origem africana nunca foram tantos na Assembleia desde 1958, Patrice Anato nascido no Togo é um dos novos eleitos da onda macronista e diz que reivindica a sua condição de africano mas não se sente na obrigação de ter nenhum dever particular em relação à África porque é francês.Laetícia Avia, nascida em França há 34 anos de pais togoleses, advogada, só naturalizou-se francesa e faz parte do grupo de amizade França Gana. É dos primeiros estudantes da zona suburbana parisiense a entrar no prestiagiado Instituto de Ciências Políticas?Hervé Berville, 29 anos, nasceu no Ruanda e é economista membro das comissão dos negócios estrangeiros e do grupo de amizade França, Burundi, Ruanda. Escapou ao genocídio, adoptado por uma família bretona e veio para França aos 4 anos onde fez um percurso escolar excepcional, tendo passado também pelo Instituto de Ciências Políticas e a London School of Economics, especializando-se em economia de desenvolvimento de Moçambique, acrescenta, JEUNE AFRIQUE.Por seu lado, L'OBS, destaca, Etiópia, o estranho prémio Nobel da Paz, referência ao primeiro ministro etíope Abiy Ahemd, que se desloca a 10 de dezembro a Oslo para receber o galardão. Estranho prémio porque o seu país nunca esteve tão minado por conflitos étnicos. Eloi Ficquet, especialista da Escola de Altos Estudos em Ciências sociais, afirma que o Comité Nobel norueguês, ficou míope, deixando-se seduzir pelo charme de primeiro aluno duma classe com uma comunicação afinada na cena internacional.Mas a capa deste semanário vai para a interrogação se há de facto um desmoronamento da civilização ocidental. Uma civilização vítima da deriva climática e a escassez de recursos, uma tese defendida por peritos do colapso. Haverá os vencedores e os perdedores e a humanidade pode fazer parte daqueles que perderão. Até agora havia um discurso científico alertando para os riscos, mas cada vez mais há outro discurso apontando para a desertificação destruição de econossitema ou aumento da temperatura, sublinha, L'OBS. Luta contra o terrorismo, um achance para os dirigentes nigerianos, destaca LE MONDE DIPLOMATIQUE. Geralmente os decisores políticos e a imprensa concentram os seus comentários nos crimes da seita Boko Haram, que decapitam militares, matam agentes humanitários ou cometem atentados e raptam jovens raparigas.Em contrapartida não falam em torturas nas prisões, atrocidades contra massacres, bombardeamentos de populações civis em Baga iu Rann em 2013 e 2017, acrescenta, LE MONDE DIPLOMATIQUE.Enfim LE POINT, faz a sua capa com o herós da liberade em Hong Kong, Joshua Wong, o homem que faz frente à China. "Há 15 meses que stamos nesta batalha e vamos continuar a ganhar a geurra", afirma, ao LE POINT, Joshua Wong. 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.