Acesso ao principal conteúdo
França/Violência

Suspeitos de matarem jovem em Paris dizem ter agido em legítima defesa

Clément Méric, o jovem agredido por skinhead e que se encontra em coma celebral.
Clément Méric, o jovem agredido por skinhead e que se encontra em coma celebral. France 24

A polícia deteve oito suspeitos de terem participado das agressões que provocaram a morte do estudante Clément Méric, universitário militante de extrema-esquerda, espancado até a morte na quarta-feira por um grupo de skinheads no centro de Paris. No primeiro depoimento, eles alegaram legítima defesa e disseram que não tiveram a intenção de matar.

Publicidade

Numa investigação considerada relâmpago, a polícia já identificou e deteve 7 suspeitos com idades entre 20 e 37 anos, entre eles uma mulher. Eles são próximos de um movimento conhecido como Juventude Nacionalista Revolucionária. O slogan do grupo é "acreditar, lutar e obedecer". No primeiro interrogatório, segundo rádios francesas, os suspeitos, que foram identificados graças a câmeras de vídeos e retratos falados, apresentaram todos a mesma versão e disseram que agiram em legítima defesa e que não tinham a intenção de matar.

A televisão francesa M6 afirma que o suspeito número 1 é Esteban, um jovem de 20 anos que já seria conhecido dos serviços de polícia. A investigação quer saber, agora, se é dele o soco inglês qur provocou os ferimentos mais graves no rosto de Clément Méric que recebeu ainda inúmeros socos e chutes.

A morte do estudante provocada pela violenta agressão sofrida por militantes de extrema-direita causou grande comoção na França.  Em 60 cidades da França, 15 mil pessoas saíram nas ruas ontem em um protesto de repúdio à morte do jovem. Em Paris, ontem à tarde, centenas de colegas de Clémént Méric se reuniram em frente ao Instituto de Ciências Políticas de Paris,  Sciences Po, onde o jovem estuvada. Hoje de manhã, editoriais de vários jornais dizem que esse crime provoca "náuseas" na sociedade francesa.

Em resposta à violência do discurso de certos grupos de extrema-direita, o governo francês promete "dissolver" essas organizações. O ministro do Interior, Manuel Valls, declarou hoje que a "República francesa tem que ser implacável " com essas extremistas e atacar com firmeza "ideias nauseabundas que lembram os piores momentos da nossa história", afirmou.

O presidente da Juventude Nacionalista Revolucionária, Alexandre Gabriac, desdenhou do projeto do governo de desmantelamento de organizações radicais de extrema-direita. "O nacionalismo está nos nossos corações e nas nossas almas", declarou.

 

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.