Acesso ao principal conteúdo
Saúde/Coração

Primeiro coração artificial definitivo é implantado com sucesso na França

Desevolvindo pela empresa Carmat, em parceria com a EADS, o coração artificial definitivo é fruto de 25 anos de pesquisas e testes.
Desevolvindo pela empresa Carmat, em parceria com a EADS, o coração artificial definitivo é fruto de 25 anos de pesquisas e testes. © Carmat

Os médicos franceses confirmaram nesse sábado, 21 de dezembro, o sucesso da primeira implantação mundial de um coração artificial definitivo, realizada essa semana em Paris. A solução é indicada para os pacientes idosos, que não podem esperar muito tempo na fila do transplante de miocárdio. Além da França, hospitais na Bélgica, Polônia, Eslovênia e Arábia Saudita já estão equipados para realizar novas operações do gênero.

Publicidade

O sucesso da cirurgia realizada em Paris representa uma esperança para milhares de pacientes no mundo todo. Pois mesmo se a medicina já realiza implantes de corações artificiais em seres humanos há cerca de dez anos, os aparelhos desenvolvidos até agora tinham apenas uma função provisória, usados durante a espera para um transplante.

O primeiro coração artificial definitivo foi implantado na quarta-feira em um homem de 75 anos que, três dias após a operação “passa muito bem”, segundo o professor Jean-Noël Fabiani, chefe do serviço de cirurgia cardiovascular do hospital parisiense Georges-Pompidou, onde a intervenção foi realizada. Os médicos esperam que o paciente tenha uma esperança de vida suplementar de pelo menos cinco anos. Mas as equipes lembram que mesmo se o objetivo é oferecer ao doente um quotidiano normal, ainda há alguns obstáculos, como “a alimentação elétrica, indispensável para que a máquina funcione”.

O coração artificial definitivo foi desenvolvido pela empresa Carmat, em parceria com a EADS, após 25 anos de pesquisas e testes. O aparelho de 900 gramas é mais pesado que um órgão natural, o que também representa uma barreira, já que pode beneficiar apenas as pessoas mais corpulentas : invenção é compatível com 70% dos tórax dos homens e 25% das mulheres. O miocárdio high-tech custa cerca de 160 mil euros (520 mil reais).

De acordo com o médico Philippe Pouletty, um dos fundadores da Carmat, vários pacientes estão sendo selecionados para novas operações, “que podem ser feitas já nas próximas semanas”. Além do hospital Georges-Pompidou, os centros Marie-Lannelongue, na periferia de Paris, e o CHU de Nantes também estariam habilitados para as próximas cirurgias. Instituições na Bélgica, Polônia, Eslovênia e Arábia Saudita também poderiam realizar os implantes. Atualmente cerca de 100 mil doentes na Europa e nos Estados Unidos estão na lista de espera para um transplante de coração.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.