Acesso ao principal conteúdo
França/Eleições

Anne Hidalgo garante hegemonia dos socialistas na prefeitura de Paris

Candidata do PS celebra vitória em frente à prefeitura de Paris
Candidata do PS celebra vitória em frente à prefeitura de Paris REUTERS/Benoit Tessier

Aos 54 anos, Anne Hidalgo se tornou, neste domingo (30), não apenas a primeira mulher a ser eleita prefeita de Paris, mas também trouxe consigo o simbolismo de ser uma imigrante a assumir o comando de uma capital multicultural, repleta de estrangeiros justamente nos bairros que ajudaram a elegê-la.

Publicidade

Assim como o atual ministro do interior da França, Manuel Valls, a nova prefeita da Capital nasceu na Espanha. Depois de viver apenas três anos na sua cidade natal, San Fernando, na Andaluzia, Anne Hidalgo foi viver em Lyon, no sul da França, onde a família conseguiu lugar em um HLM, como são chamadas as moradias de aluguel a baixo custo francesas, em geral públicas. Naturalizada francesa em 1973, Hidalgo estudou Direito e fez carreira no serviço público como inspetora do trabalho, o que a levou a trabalhar na região parisiense nos anos 80. Foi quando se integrou ao Partido Socialista da décima quinta circunscrição de Paris, região rica onde ela vive até hoje e que é justamente um dos basitões da direita na Capital.

Casada com o deputado socialista Jean-Marc Germain e mãe de três jovens, Hidalgo foi braço direito do prefeito Bertrand Delanoë desde o início de sua gestão, em 2001, o que a qualificou para ser a sucessora do socialista que agora deixa o cargo. A votação obtida ontem foi menor do que as verificadas nas duas eleições anteriores de Delanoë, mas ainda assim foi considerada uma vitória excepecional diante dos maus resultados da esquerda ao redor do país.

Como de costume, a vitória dos socialistas foi assegurada pela região leste da cidade, a mais pobre e com forte presença de imigrantes, principalmente nas circunscrições de número 18, 19 e 13. A distribuição de votos entre esquerda e direita pelas 20 circunscrições de Paris manteve-se quase igual à eleição anterior. A diferença foi o nono distrito que, tradicionalmente, votava na esquerda, mas, dessa vez, elegeu a UMP. A "queda do 9ème", no entanto, não foi o suficiente para virar o jogo contra os socialistas porque a região tem peso pequeno na decisão final. A eleição para prefeito na cidade não é direta. Cada circunscrição tem um peso diferente na contagem final, a depender do número de eleitores – em um sistema parecido com a eleição presidencial nos Estados Unidos, por exemplo.

Paris foi uma exceção

Apesar de manter o poder na capital, o Partido Socialista do presidente François Hollande perdeu mais de 150 cidades de médio porte, incluindo redutos históricos como Limoges, que era governada há 102 anos pela legenda. O consolo para os socialistas foi manter, além de Paris, as prefeituras de Lyon, Lille e Estrasburgo. A direita, grande vencedora desta eleição, vai governar a maior parte das cidades francesas com mais de 10 mil habitantes, o que representa uma vitória histórica para a legenda UMP, do ex-presidente Nicolas Sarkozy. Outro fato marcante da votação é o fortalecimento da extrema-direita. A Frente Nacional, da líder Marine Le Pen, conquistou 13 municípios.

Diante deste cenário, a expectativa é que o presidente Hollande anuncie ainda hoje uma reforma ministerial. Segundo um senador aliado, Hollande fará um pronunciamento na TV. A grande incógnita é se o primeiro-ministro, Jean-Marc Ayrault, será substituído, na liderança de uma equipe ministerial reduzida. O favorito dos franceses para o cargo de premiê é o ministro do Interior, Manuel Valls.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.