Acesso ao principal conteúdo
França/RCA

Novo caso de violação na RCA: Paris promete transparência

Soldados franceses da Sangaris a patrulharem Bria, na RCA.
Soldados franceses da Sangaris a patrulharem Bria, na RCA. AFP / MIGUEL MEDINA

O exército francês está de novo envolvido num escândalo de violação na República Centro-Africana. As Nações Unidas tornaram públicas, esta quinta-feira, as alegações de abusos sexuais perpetrados por um soldado da força francesa Sangaris. Paris promete transparência no processo.

Publicidade

A denúncia foi feita pelo Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad al-Hussein, em deslocação a Bangui. A ONU terá sido informada do sucedido a 30 de Agosto e os factos remontam a 2014.

De acordo com o comunicado das Nações Unidas, a suposta vítima seria uma “rapariga, provavelmente, em fim de adolescência no momento dos alegados factos”. A mesma teria engravidado de uma criança, que nasceu no passado mês de Abril, e apresentado queixa junto das autoridades locais para um reconhecimento de paternidade.

Segundo Zeid Ra'ad al-Hussein, as autoridades francesas foram informadas do caso.

Alegações que vêem avolumar uma longa lista de acusações de violações cometidas por soldados estrangeiros na RCA. Um processo judiciário já tinha sido aberto em Maio passado, em Paris, contra 14 militares franceses, que participaram na operação militar francesa na RCA, por supostos abusos sexuais cometidos entre Dezembro de 2013 e Junho de 2014.

Em reacção à denúncia, Pierre Bayle, porta-voz do Ministério francês da Defesa, assegura que a verdade dos factos será apurada: “fomos informados oralmente pelas autoridades da Organização das Nações Unidas (…) O Ministro [da Defesa] decidiu imediatamente a abertura de um inquérito (…) A justiça será soberana, não há uma justiça militar específica, mas um código de processo penal aplicável a todos e nós seremos totalmente transparentes”.

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.