Acesso ao principal conteúdo
Migrantes

Refugiados: Europa toma medidas concretas

O fluxo migratório é cada vez mais importante.
O fluxo migratório é cada vez mais importante. REUTERS/Laszlo Balogh

Na Europa a questão continua na actualidade com um fluxo migratório cada vez mais importante. Em França, centros de acolhimento estão a ser abertos para acolher refugiados.

Publicidade

Em França, a presidente da Câmara de Paris, Anne Hidalgo, anunciou a abertura de sete centros de acolhimento em Paris e nos arredores da capital para receber cerca de 460 migrantes que se vão juntar aos 1450 que chegaram em Junho.

Anne Hidalgo também lançou uma campanha de angariamento de fundos a favor das associações que ajudam os refugiados.

Ainda em França, em Estrasburgo, o Parlamento Europeu apoiou hoje as novas medidas apresentadas na quarta-feira pelo presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, que prevêem distribuição pelos Estados-membros de mais 120 mil refugiados, actualmente em Itália, Grécia e Hungria.

Na resolução aprovada em Estrasburgo, os eurodeputados deram ainda luz verde à proposta de Bruxelas para a criação de um mecanismo de repartição permanente e vinculativo.

Jean-Claude Juncker, no discurso sobre o estado da União, proferido na quarta-feira, apelou à solidariedade dos Estados-membros e lembrou que a história da Europa é também feita de refugiados.

A Comissão Europeia propôs ontem a recolocação de mais 120 mil refugiados que se encontram na Itália, Grécia, e Hungria, com caráter urgente. Portugal vai receber cerca de cinco mil refugiados.

Na Áustria, a empresa de caminhos-de-ferro austríaca anunciou hoje a suspensão, até ordem contrária, das ligações ferroviárias com a Hungria devido à «congestão em massa» da rede provocada pelo fluxo sem precedentes de migrantes.

O destino preferencial destes migrantes que transitam pela Hungria e pela Áustria é o território alemão. Estas pessoas são maioritariamente oriundas da Síria.

De referir ainda que os chefes da diplomacia do grupo de Visegrad composto pela Polónia, República Checa, Eslováquia e Hungria, vai encontrar os homólogos germânicos e luxemburgueses esta sexta-feira em Praga, capital checa.

De notar que os países do grupo de Visegrad estão contra o sistema de quotas de repartição dos migrantes proposto por Bruxelas.

Ouça a crónica sobre os migrantes na Europa.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.