Acesso ao principal conteúdo
Convidado

«Não se combate o terrorismo com o estado de emergência», avisa especialista

Áudio 07:15
Praça da República, Paris.
Praça da República, Paris. Reuters/Christian Hartmann

Menos de um ano depois dos atentados de Janeiro, em Paris, a capital francesa voltou a ser sacudida por ataques bárbaros que ceifaram a vida a pelo menos 129 pessoas. Ataques que visaram a "Geração Bataclan", como lhe chamou o jornal "Libération", ou seja, "jovens alegres, abertos e cosmopolitas".Rui Miguel Pereira, doutorando em questões relacionadas com o terrorismo na École des Hautes Études en Sciences Sociales, em Paris, considera que "não se combate o terrorismo com o estado de emergência" e considera que "é uma constatação óbvia" a possibilidade de haver novos atentados em solo francês nos próximos tempos.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.