Acesso ao principal conteúdo
França

COP 21 : Desafio climático e soluções africanas

Parque de Exposições de Le Bourget, em Paris
Parque de Exposições de Le Bourget, em Paris AFP FOTO / MIGUEL MEDINA

Esta manhã, à margem da COP21, teve lugar uma mini-cimeira de chefes de Estado africanos com o título "desafio climático e soluções africanas". A França vai investir dois mil milhões de euros ao desenvolvimento de energias renováveis no continente africano até 2020.

Publicidade

Arrancaram hoje as negociações entre as delegações dos 195 países que participam na conferência sobre o clima COP21 no Parque de Exposições no Bourget, norte de Paris.

Esta manhã, 12 dirigentes africanos, liderados pelo presidente egípcio Abdel Fattah al-Sissi foram recebidos pelo Presidente francês numa mini-cimeira sob o tema “desafio climático e as soluções africanas”.

“África é particularmente vulnerável aos efeitos das mudanças climáticas. Muita da economia de África depende dos recursos naturais, muito sensíveis ao clima, incluindo a agricultura de subsistência irrigada pela chuva. A ruptura nas reservas de comida e água são um risco importante não só para as economias, como para a estabilidade política” lembrou o secretário-geral da ONU, Ban-Ki-Moon.

Presidente francês, François Hollande, anunciou que destinará "seis bilhões de euros entre 2016/2020 para a electrificação do continente africano" .

No seu discurso ontem aquando da abertura da COP 21, Manuel Vicente, vice-presidente de Angola, referiu que Angola já sofre das consequências das alterações climáticas e apelou para que seja adoptado durante esta conferencia um acordo vinculativo sobre esta matéria.

O primeiro-ministro cabo-verdiano chefia a delegação do seu país na Conferência do clima de Paris. José Maria Neves admite estar preocupado com a iminência de refugiados climáticos devido à subida do nível das águas do mar em certos pequenos Estados insulares, como o seu.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.