Acesso ao principal conteúdo
Vida em França

Lei do trabalho em França contestada

Áudio 13:18
Sindicatos e jovens franceses contestaram nas ruas lei do trabalho, esta quarta-feira, 9 de março de 2016.
Sindicatos e jovens franceses contestaram nas ruas lei do trabalho, esta quarta-feira, 9 de março de 2016. REUTERS/Eric Gaillard

No Magazine em França, lei do trabalho contestada nas ruas das cidades francesas, esta quarta-feira, 9 de março, pelos sindicatos e organizações estudantis, um movimento social aqui comentado pela economista Cristina Semblano e a filósofa, Luisa Semedo.Esta quarta-feira, 9 de março, ficou marcada, por mais de 175 manifestações em toda a França e uma greve geral nos transportes públicos, contra a reforma do governo socialista que quer adoptar um novo código do trabalho beneficiando mais o patronato, em detrimento dos trabahadores e empregados.Para a economista Cristina Semblano, professora de economia portuguesa na Universidade Paris IV, Sorbonne, "[...] A mobilização foi muito importante, era o expectável, e eu lembro que é apenas uma ante-manifestação, na medida em que a grande manfiestação está prevista no dia 31 de março".Já para Luisa Semedo, doutora em Filosofia Política e Ética, conselheira das Comunidades portuguesas em França, [...] Há aqui uma discriminação e uma falta de hierarquia que deveria ser o assalariado é que deve estar no cimo da decisão e não o patronato e aqui há uma inversão dos valores."

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.