Acesso ao principal conteúdo
França

Tentativa de atentado abortada em França

Polícias perto do local onde foi abortado o projecto de tentativa de atentado.
Polícias perto do local onde foi abortado o projecto de tentativa de atentado. AFP/GEOFFROY VAN DER HASSELT

Durante uma conferência de imprensa quinta-feira à noite, o ministro francês do interior, Bernard Cazeneuve, declarou que uma "intervenção importante" permitiu abortar um projecto de atentado que estava num estado bem avançado.

Publicidade

A operação policial decorreu ontem em Argenteuil, uma localidade no norte de Paris. Os explosivos foram descobertos em pequena quantidade.

A declaração foi feita por Bernard Cazeneuve, ministro do Interior, na quinta-feira pelas 22h30, a partir do Ministério do Interior, em Paris, num momento em que as operações ainda estavam a decorrer.

O ministro do Interior declarou que os polícias efectuaram uma intervenção importante em Argenteuil. O indivíduo detido chama-se Reda Kriket.

O inquérito, que foi iniciado há algumas semanas, necessitou de meios importantes de vigilância física e técnica, bem como uma cooperação estreita e constante entre serviços europeus acrescentou Bernard Cazeneuve.

O ministro do Interior explicou que este "indivíduo detido, de nacionalidade francesa, é suspeito de estar implicado a um nível elevado" no projecto abortado que o próprio Bernard Cazeneuve admitiu que estava num estado bem avançado. Reda Kriket seria então um dos cabecilhas.

Este francês de 34 anos teria ligações com certos jihadistas mais conhecidos. O suspeito foi condenado em Bruxelas, apesar da ausência na audiência, no passado dia 29 de julho, por ter encaminhado jihadistas para a Síria, ao mesmo momento que Abdelhamid Abaaoud, aquele que terá organizado os atentados de Paris, no passado mês de Novembro.

Ouça a crónica sobre os acontecimentos.

Em Bruxelas, na Bélgica, prosseguem as investigações. Aliás três pessoas foram hoje detidas em várias comunas de Bruxelas na sequência da investigação conduzida depois do atentado frustrado de quinta-feira na cidade francesa de Argenteuil.

À medida que se acumulam perguntas incómodas sobre a capacidade de a Bélgica lidar com as suas ameaças terroristas internas, dois ministros do Governo liderado por Charles Michel admitiram terem existido erros na forma como lidaram com alertas passados de que um dos bombistas-suicidas era um suspeito de terrorismo.

De referir que Bruxelas saiu de alerta de segurança máxima, apesar de várias operações de rusga e pequenos alertas de bomba em várias partes da cidade.

De notar por fim que o secretário de Estado norte-americano está em Bruxelas para prestar solidariedade às vítimas dos ataques e oferecer ajuda às autoridades belgas.

Mais pormenores com o nosso correspondente em Bruxelas, Vasco Gandra.

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.