Acesso ao principal conteúdo
FRANÇA

França: atentado contra igreja reivindicado pelo Estado Islâmico

Aparato de polícia em redor da Igreja de Saint-Etienne-de-Rouvray, perto de Rouen.
Aparato de polícia em redor da Igreja de Saint-Etienne-de-Rouvray, perto de Rouen. CHARLY TRIBALLEAU / AFP

O autodenominado Estado Islâmico reivindicou o sequestro numa igreja do norte da França onde foi degolado um padre antes de os dois autores serem abatidos pela polícia.  

Publicidade

De acordo com agência de informação Amaq, órgão de propaganda do grupo jihadista, a operação teria sido levada a cabo por dois dos seus "soldados".

Os autores do ataque "teriam respondido aos apelos para tomar como alvo os países da coligação" internacional que combate o autodenominado Estado Islâmico no Iraque e na Síria.

O chefe de Estado François Hollande alegara que o "Daech" (ou Estado Islâmico) declara a guerra contra a França tendo condenado "o atentado terrorista ignóbil", acrescentando que os seus dois autores tinham reivindicado a sua pertença a essa organização.

Neste sequestro matinal na Igreja de Saint Etienne du Rouvray, norte da França, os agressores degolaram o Padre Jacques Hamel, de 84 anos, informaram os serviços do Arcebispado de Rouen.

"Penso em todos os católicos de França (...) Foram todos os católicos a ser atingidos, mas todos os franceses se sentem afectados."

De acordo com o canal iTELE um dos dois suspeitos era originário da localidade, tendo tentado partir para a Síria em 2015 antes de ser interceptado na Turquia e depois repatriado para França onde estivera detido.

Teria sido solto em Março passado e colocado sob regime de pulseira electrónica com autorização de saída entre as 8h30 e as 12h30, acrescentou o canal televisivo francês.

O Ministério público abriu uma investigação anti-terrorista sobre o caso.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.