Acesso ao principal conteúdo
França/Política

Fillon resiste, entourage deserta

François Fillon, candidato presidencial
François Fillon, candidato presidencial REUTERS/Jean-Paul Pelissier

François Fillon, candidato da direita às presidenciais francesas, está cada vez mais sozinho. Esta sexta-feira foi a vez de Thierry Solère, deputado e organizador das primárias de direita, ter anunciado a sua demissão das funções de porta-voz do candidato presidencial.

Publicidade

Decidi de colocar um ponto final nas minhas funções de porta-voz de François Fillon”, escreveu Thierry Solère na sua conta da rede social Twitter. O deputado integra agora a já longa lista de desertores do círculo político de Fillon. Desde quarta-feira que a lista dos que se querem desvincular do candidato não para de aumentar.

O ex-primeiro-ministro francês confirmou na quarta-feira a sua vontade e determinação em continuar na corria ao Eliseu, mesmo depois de se ver envolvido num caso de criação de empregos fictícios para a sua mulher e filhos. Fillon será ouvido, sobre estes caso, pelos juízes de instrução criminal a 15 de Março.

Desde quarta-feira que François Fillon já perdeu o seu tesoureiro de campanha, Gilles Boyern o seu director-adjunto de campanha, Sébastien Lecornu, o seu representante para as relações internacionais, Bruno Le Maire, e agora o seu porta-voz, Thierry Solère. A estes somam-se outros parlamentares que retiraram o apoio ao candidato presidencial francês.

A alternativa Alain Juppé ganha forma

A direita teria um melhor resultado, na primeira volta, liderada por Alain Juppé. A conclusão é de uma sondagem publicada hoje realizada pela Odoxa para a France 2.

Um estudo de opinião feito depois do anúncio da possível acusação de François Fillon, no caso de empregos fictícios que envolve a sua família.

Assim sendo, se Alain Juppé substitui-se François Fillon conseguiria obter 26,5% da votação. O presidente da câmara de Bordéus arrecadaria o primeiro lugar, à frente de Emmanuel Macron (25%). Segundo esta sondagem, Marine Le Pen, a candidata da extrema-direita, seria eliminada à primeira volta, ficando com 24% dos votos.

Na hipótese da manutenção da candidatura de François Fillon, os resultados seriam diferentes, com o candidato a obter 19%, atrás de Marine Le Pen com 25,5% e do ex-ministro da Economia, Emmanuel Macron, com 27%.

A alternativa Alain Juppé começa a ganha forma, mas o edil de Bordéus já fez saber que apenas avançará para a corrida ao Eliseu se Fillon se retirar de livre e espontânea vontade e se o partido o apoiar unanimemente.

De recordar, que Alain Juppé perdeu a segunda volta das primárias da direita precisamente para François Fillon.
 

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.