Acesso ao principal conteúdo
Revista de Imprensa

Moral, Justiça, Lei laboral, Terrorismo, Futebol...

Áudio 04:45

As primeiras páginas da imprensa diária francesa estão dominadas por assuntos de política interna, nomeadamente, justiça e moral, mas também, reforma da lei laboral e ainda futebol. LE MONDE, titula Bayrou defende, na tormenta, a sua lei de moralização da vida política. Numa entrevista a este vespertino, o ministro francês da Justiça, explica o conteúdo da proposta de lei, que defende no conselho de ministros, para que haja mais confiança na vida democrática.Situações duvidosas vão encontrar uma resposta decisiva e será posta fim a práticas ou facilidades de tempos antigos, considera o ministro.Sobre o escândalo de assistentes parlamentares envolvendo o seu partido, MoDem, Bayrou afirma que nunca o seu partido teve uma prática criticável nesta matéria, nota LE MONDE.Moral e Política, o caso Bayrou, é o principal título do jornal LE PARISIEN, que nota que o ministro da Justiça, apresenta hoje a sua proposta de lei sobre a moralização da vida política, numa altura em que a justiça investiga sobre o financiamento de assistentes parlamentares do MoDem.Lei de "moralização", entre aspas: o mau exemplo dos candidatos Em Marcha, titula o jornal L'HUMANITÉ. Refundar a via democrática e suas velhas prágticas políticas, tais são as missões do governo de Macron, que durante a campanha presidencial afirmou que essa lei seria a base sólida da sua acção.Uma base toda rachada desde as revelações em catadupa sobre o seu ministro da coesão Territorial, Richard Ferrand e suspeitas judiciárias à volta de candidatos a deputados. A exigência de exemplaridade e de probidade é de geometria variável no mundo moderno promovido pelo Presidente Macron, nota L'HUMANITÉ.LIBÉRATION, por seu lado, titula Lei do trabalho 2, ilustrada por uma foto do Presidente e seu Primeiro-ministro, para sublinhar que eles estão dispostos a tudo. Motivos de despedimentos, acordos sectoriais, contratos de trabalhos... As primeiras pistas já estão sobre a mesa, confirmando assim as nossas precendentes revelações, nota LIBÉRATION.Mudando de assunto, mas ainda ficando, na Europa, LA CROIX,  titula, Erasmus mudou a vida deles. Uma referência a esse progrma de intercâmbio, criada em 1987 e que devia abrager 10 por cento de estudantes europeus. 30 anos depois, o objectivo é duplicar esta percentagem.Um programa de bolsas de estudo e intercâmbio aos melhores estudantes, Erasmus  é a prova dos 9 de que a diversidade de línguas não é um obstáculo à comunicação. O obstáculo é que o programa Erasmus, é praticamente único do seu género no balanço europeu.Há que haver outras iniciativas deste calibre, nota LA CROIX, para a promoção da consciência de um património comum entre todos os cidadãos da União europeia. Um programa Erasmus para aprendizagem de um ofício está a dar os primeiros passos, mas chegou altura de lhe imprimir uma nova dimensão, acrescenta LA CROIX.Por seu lado, o grande título do jornal LE FIGARO, vai para imigrantes: a Europa frente a um novo desafio vindo de África. Como por altura das primaveras, a União europeia é confrontada com este desafio e 2017 é marcado por um aumento de refugiados económicos vindos do continente africano.Submersa, a Itália tenta canalizar a chegada de novos imigrantes enquanto sem renegar os seus valores de acolhimento, a Europa não deve apresentar-se ao continente vizinho como o espelho de um Eldorado sem limites nem fronteiras.A mentira é assassina e a África esvazia-se de um precioso sangue, sublinha LE FIGARO, no seu editorial, intitulado, Tragédia sem fim.Enfim, ainda o mesmo jornal, destaca igualmente o anúncio de um plano comum antiterrorista, em Paris, pelo presidente Macron e a primeira-ministra inglesa, May.Os dois estadistas que estiveram a assistir o jogo amigável de futebol ontem noite no Estádio S. Dinis, entre os seus dois países, com a França a ganhar por 3/2, um vento de frescura para a selecção francesa, titula L'ÉQUIPE.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.