Acesso ao principal conteúdo
Mundo

França combate tráfico de telemóveis nas prisões

Prisão Bourg-en-Bresse.
Prisão Bourg-en-Bresse. Getty Images/Jean-Philippe Ksiazek

Até ao final do ano, mais de 50 mil celas de 178 estabelecimento prisional vão instalar um telefone fixo por cela. Uma iniciativa sem precedentes do Ministério da Justiça francês que tem como objectivo combater o tráfico de telemóveis nas prisões.

Publicidade

O Ministério da Justiça francês anunciou que ao longo do ano vai instalar um telefone fixo por cela em todos os estabelecimentos prisionais do país.

Além de se tratar de uma questão de segurança e, de acordo com o governo do Presidente francês, Emmanuel Macron, o objectivo é fortalecer a manutenção de laços familiares, considerado as linhas telefónicas como sendo um elemento-chave para a reintegração social.

É desta forma que as prisões francesas inauguram as primeiras linhas telefónicas até o final de 2018. Ao todo são visadas mais de 50.000 celas em 178 cadeias.

A ideia do governo é instalar um telefone por cela, fora das áreas consideradas “de risco”, os reclusos vão poder fazer chamadas para até quatro números autorizados pelo juiz ou pela administração do estabelecimento.

Este dispositivo está a ser testado desde Julho de 2016 na prisão de Montmédy, no norte do país, onde a instalação de linhas telefónicas “ajudou a aliviar as tensões” dentro da prisão.

Actualmente, os detidos têm acesso a cabines telefónicas localizadas nos corredores e com preçário a cinquenta cêntimos por pulsações, ora a instalação de telefones em casa cela o preço baixa de cinquenta para dez cêntimos por minuto.

No primeiro semestre do ano passado mais de 19 mil telemóveis e acessórios foram apreendidos nas prisões francesas, onde em Julho se encontravam cerca de 70 mil pessoas condenadas ou a aguardar julgamento.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.